Alemanha derrota Gana, mas ambas avançam às oitavas

A Copa do Mundo da África do Sul já tem o seu primeiro grande clássico nas oitavas de final. No estádio Soccer City, em Johannesburgo, a Alemanha venceu Gana por 1 a 0, nesta quarta-feira, resultado que classificou ambas as seleções e credenciou os alemães para enfrentar a Inglaterra na próxima fase. Já os ganeses pegam os Estados Unidos. O jogo foi apitado pelo brasileiro Carlos Eugênio Simon, que teve uma arbitragem segura.

RAFAEL BRAGANÇA, Agência Estado

23 de junho de 2010 | 17h46

Com a vitória, a Alemanha foi a seis pontos, ficando na liderança do Grupo D. Primeira seleção africana a avançar no Mundial, após as eliminações de Nigéria, África do Sul e Argélia, Gana permaneceu com quatro, na segunda posição. O time ganês foi beneficiado pelo triunfo da Austrália sobre a Sérvia, por 2 a 1, já que os sérvios ficariam com a vaga em caso de empate por 2 a 2.

No domingo, em Bloemfontein, às 11 horas (de Brasília), Alemanha e Inglaterra repetirão a final da Copa de 1966, quando os ingleses ficaram com o título. Além disso, as seleções também se enfrentaram nas semifinais de 1990 e os alemães venceram nos pênaltis. No sábado, às 15h30, em Rustemburgo, Gana pega os norte-americanos. É a segunda Copa seguida em que os ganeses vão às oitavas - em 2006 foram eliminados pelo Brasil.

O confronto desta quarta marcou o primeiro encontro entre irmãos em seleções rivais da história das Copas. Jérôme Boateng, pela Alemanha, e Kevin-Prince Boateng, por Gana, porém, foram coadjuvantes. O brasileiro naturalizado alemão Cacau, que entrou no lugar do suspenso Klose, também esteve apagado. Em um jogo de poucas oportunidades para a Alemanha e várias desperdiçadas por Gana, fez a diferença o belo gol de fora da área de Özil.

O JOGO - Precisando da vitória para depender só de si mesma, a Alemanha começou a partida de forma ofensiva. Com Cacau dando mais velocidade ao ataque, não demorou para o time alemão chegar com perigo. Logo no segundo minuto, o próprio brasileiro deu o primeiro chute a gol, ao arrancar pela direita e bater cruzado. Kingson encaixou e fez a defesa.

Sempre com mais posse de bola, a Alemanha tinha dificuldades para chegar na área adversária. Assim, Gana quase facilitou as coisas quando Jonathan Mensah tentou afastar o perigo e só não marcou contra porque Kingson estava esperto, aos nove minutos. A seleção africana só sairia mais para o jogo depois que teve a sua primeira chance de gol.

Com 13 minutos, Asamoah se aproveitou de uma desatenção da zaga alemã e apareceu livre na área. O ganês preferiu o toque atrás para Gyan, que foi travado na hora do chute. Gana, porém, só voltaria ao ataque depois de a Alemanha perder a oportunidade mais clara do primeiro tempo.

Aos 24, Özil partiu sozinho em direção ao gol e só tinha o goleiro pela frente. O atacante tentou buscar o canto, mas acabou chutando em cima de Kingson, que viu Gana quase marcar no minuto seguinte. Em cobrança de escanteio, o artilheiro ganês Gyan, com dois gols na Copa, cabeceou e Lahm salvou em cima da linha.

A chance animou Gana, que manteve o jogo equilibrado até o fim da primeira etapa. O time africano, porém, errava demais em suas finalizações, que quase sempre iam para fora. Enquanto isso, Schweinsteiger aproveitou para criar o último lance de perigo antes do intervalo, ao cobrar falta em direção à área e quase surpreender o goleiro Kingson.

No segundo tempo, a Alemanha seguiu insistindo mais e Gana adotou uma postura clara: de se defender e sair nos contra-ataques. Foi assim aos quatro minutos, quando a seleção africana desperdiçou mais uma boa oportunidade, desta vez com Asamoah. O atacante apareceu livre na frente, mas chutou fraco, em cima de Neuer.

A etapa complementar avançava e a Alemanha ia ficando nervosa por não conseguir o seu gol. Gana se postava quase toda em seu campo e ia garantindo o empate que a colocava nas oitavas. Mas então Özil decidiu fazer o que os alemães não tinham tentando até então: os chute de fora da área. Desta forma, o atacante se redimiu pelo gol perdido no primeiro tempo.

Com 14 minutos, Özil recebeu na entrada da área, dominou e bateu forte. A bola foi no ângulo e Kingson só observou, sem tempo nem para tentar a defesa. Agora, a Alemanha ia garantindo a sua classificação, mas Gana ainda dependia do resultado do outro jogo do grupo para ir às oitavas, além de ser importante para os ganeses evitar uma goleada.

Até o final do jogo, Gana nem precisou se esforçar tanto para não sofrer mais gols. Os papéis se inverteram e agora era a Alemanha que se defendia e saía nos contragolpes. Ficando mais com a bola, os ganeses ainda tiveram boas chances. No entanto, Lahm foi fundamental mais uma vez para manter o 1 a 0 no placar ao travar um chute de Ayew na cara do gol.

Ficha técnica:

Gana 0 x 1 Alemanha

Gana - Kingson; Pantsil, John Mensah, Jonathan Mensah e Sarpei; Annan, Prince Boateng, Tagoe (Muntari) e Ayew; Asamoah e Gyan (Amoah). Técnico: Milovan Rajevac.

Alemanha - Neuer; Lahm, Friedrich, Mertesacker e Boateng (Jansen); Schweinsteiger (Kroos), Khedira, Özil e Müller (Trochowski); Podolski e Cacau. Técnico: Joachim Low.

Gol - Özil, aos 14 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Ayew (Gana); Müller (Alemanha).

Árbitro - Carlos Eugênio Simon (Brasil).

Público - 83.391 espectadores.

Local - Estádio Soccer City, em Johannesburgo (África do Sul).

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolAlemanhaGana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.