Serene Stache/AP
Serene Stache/AP

Alemanha espera justificar favoritismo contra a Turquia e sediar Eurocopa de 2024

Estudo publicado pela própria Uefa aponta alemães como os mais preparados para sediar o torneio

Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2018 | 19h29

O Comitê Executivo da Uefa escolherá a sede da edição de 2024 da Eurocopa, entre as candidaturas de Alemanha - a parte Ocidental organizou o torneio em 1988 antes da queda do Muro de Berlim - e Turquia, que busca receber uma grande competição do futebol mundial pela primeira vez na história. O resultado será conhecido nesta quinta-feira, em Nyon, na Suíça, onde fica a sede da entidade que controla o futebol europeu.

Um estudo sobre os dois candidatos publicado pela Uefa mostra o favoritismo dos alemães. Além da Euro de 1988, a Alemanha recebeu as Copas do Mundo de 1974 e 2006, além do Mundial Feminino, em 2011. Já a Turquia tentou três vezes abrigar o principal torneio de seleções da Europa, sendo a mais recente a edição de 2016, que acabou sendo disputada na França.

A Alemanha enfatiza que é uma escolha segura e estável para a Uefa, assim como também é considerado um país de fácil acesso aos fãs, no centro da Europa. Já a Turquia acredita que merece uma oportunidade e dá à entidade europeia maior acesso aos mercados da Ásia.

Ambos os candidatos oferecem 10 estádios para jogar o torneio de 51 jogos, com duração de um mês. Na Alemanha, todos os locais já estão em uso. Tanto Berlim, com uma arena com capacidade para 70 mil lugares, quanto Munique (66 mil) podem sediar a final. Essas cidades receberam as decisões da Liga dos Campeões em 2015 e 2012, respectivamente.

Dos locais propostos pela Turquia como sede de confrontos da Eurocopa, apenas o estádio de Ancara hoje não está em uso. Se a Turquia vencer, o Estádio Olímpico Ataturk, em Istambul, será reconstruído para receber 85 mil torcedores depois de sediar a final da Liga dos Campeões, em 2020. A decisão da Uefa, em maio, de premiar Istambul como palco desta importante decisão foi vista por alguns como compensação à Turquia antes de uma provável vitória da Alemanha para abrigar a Euro de 2024.

País mais rico e com uma tradição muito maior do que a Turquia no futebol mundial, a Alemanha tem quase 300 mil ingressos a mais para vender do que a sua rival se for eleita a sede da Eurocopa e promete receitas importantes para a Uefa. A avaliação da entidade diz que os alemães tem uma capacidade de comercializar entradas para 2,78 milhões de assentos, enquanto os turcos possuem 2,49 milhões. Três dos estádios da Turquia teriam capacidade menor do que 35 mil lugares, o que é considerada uma capacidade pequena para um torneio desta magnitude. Já a arenas alemã de menor tamanho pode abrigar pelo menos 46 mil pessoas.

Nesta quinta-feira, os representantes dos dois países terão 15 minutos para apresentar pela última vez as propostas de candidatura, na tentativa final de convencer o colégio eleitoral do Comitê Executivo da Uefa.

A competição, em 2024, será a primeira depois da que será realizada daqui a dois anos, em 12 sedes, em um formato inédito que servirá também para comemorar os 60 anos da entidade máxima do futebol do Velho Continente.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.