Alemanha se mantém calma diante de ameaça de eliminação precoce

KAROLOS GROHMANN, REUTERS

21 de junho de 2010 | 16h07

Kai Pfaffenbach/Reuters

ERASMIA - A tricampeã Alemanha irá encarar a eliminação na fase de grupos pela primeira vez quando enfrentar Gana na quarta-feira, mas os jogadores rejeitam qualquer pensamento de uma "desgraça", disseram nesta segunda-feira.

A Alemanha, que soma três pontos, precisa vencer sua última partida do Grupo D contra os africanos, que lideram o grupo com quatro pontos, para garantir uma vaga na próxima fase.

Uma derrota ou um empate pode eliminar a seleção alemã na fase de grupos, o que jamais ocorreu nos 80 anos do Mundial.

"Sabemos que há a pressão de um grande fracasso, uma desgraça pairando no ar, a de sairmos na primeira fase", disse o zagueiro central Arne Friedrich.

"Mas temos que bloquear esses pensamentos", afirmou. "Temos que ser claros sobre o fato de que temos um time muito duro e excelentes jogadores".

A seleção alemã mais jovem em 76 anos parecia estar no caminho certo após a surra de 4 x 0 na Austrália em sua partida de estreia, mas em seguida sofreu uma surpreendente derrota de 1 x 0 para a Sérvia que os deixou necessitados de uma vitória sobre Gana para evitar a eliminação.

"Não temos absolutamente nenhuma preocupação. Temos que manter a calma e sabemos que a pressão está aumentando", disse Friedrich.

A Alemanha não contará com o atacante Miroslav Klose, expulso no jogo contra a Sérvia.

Cacau é seu substituto mais provável, mas o brasileiro naturalizado alemão disse ainda não ter recebido a confirmação.

"Até agora não sei se irei jogar (na quarta-feira), talvez seja decidido hoje ou amanhã", declarou o jogador de 29 anos, que obteve a cidadania alemã há menos de 18 meses e jamais sonhou em atuar na seleção até poucos meses atrás.

"Essa surpresa e esse sonho ficaram para trás", afirmou. "Só estou me concentrando nesta partida. Este jogo é importante demais".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa 2010seleção alemã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.