Alemãs furam bloqueio e assistem ao treino do Brasil

O primeiro treino da seleção brasileira na Arena Zagallo, nesta terça-feira, em Königstein, foi fechado ao público. Mas duas adolescentes alemães, donas de belos olhos azuis e rostinhos corados, conseguiram furar o bloqueio de policiais e segurança e se juntar aos jornalistas ao lado do campo. Em vez de informações, porém, Saskia Pehlemann e Swenja Berger buscavam autógrafos dos ídolos brasileiros, principalmente de Ronaldinho Gaúcho.Elas são alunas da Taunusgymnasium, escola de ensino equivalente ao fundamental e médio no Brasil que fica no complexo escolhido pela seleção para seus treinos. A presença dos pentacampeões levou o colégio a antecipar as férias de seus 950 alunos. Mas as amigas, junto com algumas dezenas de estudantes e professores, foram nesta terça à ?aula", ou melhor, à escola, na tentativa de ver os craques de perto. Só as duas conseguiram ultrapassar a grade de isolamento, com uma ajuda especial: a da diretora da escola. E sonhavam com algum autógrafo, apesar da timidez. ?Essa é uma chance única e a seleção brasileira é fantástica, estupenda", justificou Swenja, que segurava quatro canetas na mão. ?O futebol é a minha vida", exagerou. Saskia definiu a seleção como ?um dos melhores times" que existem atualmente. ?Não dá descrever o sentimento, são jogadores dos quais eu gosto desde criança." Ela afirmou ser fã de Ronaldinho Gaúcho. Tanto que, além de vestir a camisa da seleção, trazia na mão uma do Barcelona. Ao serem informadas de que dificilmente conseguiriam chegar perto dos jogadores, as meninas baixaram os olhos. Por alguns segundos. ?Mas eu vou ficar aqui o tempo que for preciso", disse Saskia. ?Eu também", acrescentou Swenja. No entanto, elas não conseguiram seu objetivo. O prefeito de Königstein, Leonard Bürgermeister, também apareceu no treino. E discursou: ?Deu muito trabalho preparar a cidade para o Brasil, mas é o maior evento da história de Königstein, que será lembrado daqui a séculos", disse. Detalhe: eleito em fevereiro, ele assumiu a prefeitura em 1.º de junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.