Vidal Cavalcante
Alex disputa com Maldonado no jogo do Morumbi em 2002 Vidal Cavalcante

Alex, o último herói do Palmeiras no Morumbi

Meia lembra a última vitória do Palmeiras na casa do rival

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2015 | 07h00

O Estádio Cícero Pompeu de Toledo, quarta-feira, 20 de março de 2002. São Paulo e Palmeiras jogavam partida que valia a liderança do Torneio Rio-São Paulo e o alviverde já vencia por 2 a 0, gols de Magrão e Claudecir, quando o meia Alex recebeu passe de Magrão na entrada da área do tricolor. Aliando velocidade e técnica mais do que refinada, com um toque na bola ele chapelou o zagueiro Emerson. Na sequência, outro chapéu no goleiro Rogério Ceni e mais um gol palmeirense. Gol de placa, que valeu outdoor pela cidade, que é lembrado até hoje como um dos maiores da história do futebol brasileiro. 

O Palmeiras venceu o São Paulo por 4 a 2 no Morumbi naquela noite e os outros gols do jogo foram marcados por França e Kaká, para os donos da casa, e do lateral-direito paraguaio Arce, que definiu a partida. E sempre que São Paulo e Palmeiras se enfrentam no Morumbi, Alex, o craque daquele e de muitos outros jogos, lembra com carinho daquela grande noite. 

“Minhas lembranças daquele jogo são as melhores possíveis. Foi uma partida inesquecível para todos e em minha memória parece que tudo aconteceu ontem. Realmente, naquela noite de 20 de março de 2002, quase tudo funcionou muito bem para o Palmeiras. É sempre emocionante relembrar aquele jogo.”

Mas os dias de felicidade palmeirense por aqueles lados da cidade no clássico cessaram. Desde então, foram 21 partidas disputadas, com 13 derrotas e 9 empates. Nesses jogos, o ataque do Palmeiras fez muito pouco. Foram apenas 16 gols marcados, contra 39 sofridos. 

Entre essas partidas, algumas cheias de lembranças, como os dois grandes confrontos válidos pelas oitavas de final da Libertadores, em dois anos seguidos e com duas desclassificações para o Alviverde. 

Em 2005, o São Paulo não deu chances ao Palmeiras e venceu por 2 a 0, gols de Rogério Ceni, de pênalti (o volante Correa tropeçou, caiu no chão e a bola correu em sua mão), e Cicinho, de falta, marcou o segundo. 

No ano seguinte, nova vitória tricolor, mas desta vez cheia de polêmicas. O São Paulo saiu na frente com Aloísio Chulapa, o Palmeiras empatou com Washington e o jogo iria para os pênaltis – no fim da partida, o árbitro Wilson Souza de Mendonça assinalou pênalti muito discutível de Cristian em cima de Júnior. Mais uma vez Rogério Ceni bateu a penalidade e fez o gol.

Esses números constroem o tabu que os comandados de Marcelo Oliveira tentarão derrubar hoje. Mas o que os jogadores do Alviverde precisam fazer para derrotar o São Paulo em sua casa pela primeira vez em mais de 13 anos? Com a palavra, ninguém menos do que o próprio Alex, um dos últimos heróis da torcida do Palmeiras na reduto tricolor. 

“Para vencer o São Paulo, o Palmeiras precisa, fundamentalmente, jogar bem. Foi assim em 2002, nós jogamos bem naquela noite. O time precisa marcar muito bem o meio de campo do adversário, que tem qualidade. Será uma partida muito igual, equilibrada, já que as duas equipes tiveram uma boa semana. Mas é perfeitamente possível o Palmeiras vencer no Morumbi”, finaliza Alex. Para o palmeirense, bem que ele poderia entrar em campo nesta tarde. 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoPalmeirasAlex

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Palmeiras reúne ídolos para divulgar programa de sócio-torcedor

Evair, Edmundo e Marcos gravam vídeo para o clube

GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2015 | 13h17

O novo trunfo do Palmeiras para tentar alcançar a liderança no ranking nacional de sócios-torcedores é um comercial de tevê do programa Avanti estrelado pelos ex-jogadores Evair, Edmundo e Marcos. Na campanha, veiculada a partir desta semana, os três falam sobre a emoção de marcar um gol pelo Palmeiras. Evair fez 127 gols em duas passagens (1991-1994 e 1999), enquanto Edmundo (1993-1995 e 2006-2007) balançou as redes 99 vezes.

De maneira irônica, o ex-goleiro lembra o gol de pênalti feito em 2001, contra Inter de Limeira. "Parece até que foi fácil, mas demorou bastante. Atuar dentro de campo era bem mais fácil", brincou Evair sobre a gravação do comercial.

A campanha faz uma associação entre o fato de se tornar sócio-torcedor e a emoção de marcar um gol pelo Palmeiras. No ranking do Movimento Por Um Futebol Melhor, o Palmeiras é o segundo colocado com 129.492 sócios-torcedores e persegue o Internacional, que possui 147.245 sócios. O terceiro colocado é o Corinthians, com 127.188.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirascomercialídolos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.