Alex diz que espera enfrentar o Chile

O meia Alex vai assistir ao jogo entre Brasil e Croácia, dia 17, pela televisão. Carlos Alberto Parreira preferiu convocar o santista Ricardinho. O treinador definirá neste amistoso o time - e provavelmente todo o grupo - para a partida das Eliminatórias contra o Chile, dia 4 de setembro, que poderá garantir matematicamente a seleção na Copa da Alemanha. Alex gostaria de estar no grupo que vai a Split, mas não se abateu. O que lhe interessa mesmo é estar em Brasília. "Espero ser convocado para o jogo das Eliminatórias??, disse à Agência Estado, ao falar sobre o confronto com os chilenos. Para garantir um lugar, o meia, de 27 anos, não fará nada diferente. Vai continuar mostrando o futebol hábil, vistoso e regular que o tornou a principal estrela do Fenerbahce, bicampeão turco. "Desde 2003, quando fui para o Cruzeiro, mantenho uma regularidade e isso me dá confiança??, diz Alex, que nesta sexta-feira participa da abertura do Campeonato Turco, no jogo isolado entre o Fenerbahce e o Genclerbirligi, em Ancara. Agência Estado - Você está fora da seleção e estamos entrando na reta final para a Copa do Mundo. Isso o abate, preocupa? Alex - A seleção é uma coisa complicada porque a convocação é algo muito pessoal do treinador. Mas venho mantendo uma regularidade desde 2003 e isso me dá confiança. Não estou na lista agora, mas espero ser convocado para o jogo das Eliminatórias. AE - Como avalia suas chances de disputar a Copa da Alemanha? Alex - Eu me sinto em condições de brigar por uma vaga com qualquer jogador. AE - Mas em 2002, você também também estava bem e acabou ficando de fora... Alex - Eu tinha certeza total de que iria à Copa. Em 2002, o Ricardo (Ricardinho) não aparecia em nenhuma lista, foi lá e ganhou o título. Fiquei fora e a decepção foi grande. Agora é diferente, a concorrência é maior. AE - E, portanto, mais difícil. Alex - Desta vez, porém, tenho consciência de que posso ir (ao Mundial) ou não ir. O que não significa que não confie em minhas possibilidades. AE - Jogando na Turquia (vai para a segunda temporada e tem contrato até 2007), não fica mais difícil? Alex - Infelizmente, as coisas não chegam diretamente ao Brasil. Mas o Parreira sabe de muita coisa. Ele trabalhou aqui, tem muitos amigos na Turquia e deve saber como estou. AE - Falando em futebol turco, a responsabilidade do Fenerbahce, e a sua em particular, aumenta nesta temporada? Alex - Sim. O Fenerbahce é o clube mais bem estruturado do país e vai lutar por um tricampeonato inédito. Outros times já conseguiram ser tri, nós não. É um peso a mais. Mas o clube não fez grandes contratações. O elenco tem muita qualidade. AE - E em nível europeu, quais são os objetivos do clube? Alex - A diretoria tem um plano, que começou no ano passado, de, em 10 anos, ganhar no mínimo a Copa da Uefa. Este ano, queremos ir o mais longe possível na Copa dos Campeões ou, se o time cair na primeira fase, entrar na Uefa para valer. AE - Você já está adaptado totalmente a Istambul? Alex - Sim. Moramos (ele, a mulher e a filha pequena) de frente para o mar, as pessoas nos tratam muito bem. E tenho amigos. AE - Tem assistido aos jogos do Campeonato Brasileiro? Alex - Sempre. Tem jogos bons e ruins, como em qualquer campeonato do mundo. Mas assisti a alguns de grande qualidade, que me pregaram no sofá. Entre eles posso citar Santos x Corinthians, Santos x Goiás e Corinthians x Cruzeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.