Alex fez jus à expressão Gol de Placa

O gol no clássico com o São Paulo foi suficiente para colocar o nome de Alex na antologia de autores dos maiores lances da história do futebol brasileiro. Os dois toques sutis, que desnortearam Émerson e Rogério, e o arremate para a rede se juntam a outros momentos memoráveis, proporcionados por craques da linhagem de Pelé, Dener, Pitta, Marcelinho. A ação do meia do Palmeiras, na noite de quarta-feira, merece ser lembrada como "Gol de Placa".A expressão que define jogada excepcional que termina em gol teve Pelé como fonte de inspiração. Ainda nos anos verdes de sua carreira. O lance de gênio ocorreu em 5 de março de 1961, no clássico contra o Fluminense, no Maracanã. O Santos vencia por 1 a 0, o time carioca pressionava e aos 41 minutos proporcionou contra-ataque. Pelé dominou a bola na meia-lua, ergueu a cabeça e arrancou. No caminho, enfileirou adversários, três, quatro, cinco, seis, até tocar para o gol de Castilho.A torcida encantou-se e aplaudiu o astro. O jovem repórter Joelmir Beting cobria a partida, ao lado de Nelson Rodrigues. A reação empolgada do cronista fez com que o jornalista sugerisse que fosse feita uma placa para imortalizar o gol. Ele mesmo providenciou o troféu. Os locutores passaram referir-se a "gol de placa", sempre que havia lance extraordinário. A expressão pegou e vinga até hoje.O meia Pitta entrou nessa galeria em 16 de março de 1985, quando defendia o São Paulo num duelo com o Palmeiras (4 a 4), no Pacaembu. Aos 11 minutos, recebeu passe no meio-campo, passou por quatro zagueiros, até o arremate final, sem chance para o goleiro Leão. "Acreditei no lance e tudo certo", declarou, na época.Seis anos mais tarde, em 13 de novembro, Dener deu a vitória de 1 a 0 da Lusa sobre a Inter de Limeira ao partir a toda velocidade para o gol de Gérson, depois de iludir vários adversários. Dener morreu em 94, em acidente de carro.Marcelinho Carioca também tem seu gol de placa. Em 12 de fevereiro de 96, marcou o segundo do Corinthians sobre o Santos (2 a 2), na Vila, ao dar chapéu em Ronaldo Marconato e chutar de primeira, sem defesa para Edinho. "Foi dos gols mais bonitos que vi", elogiou Pelé, com autoridade de mestre e pai do goleiro. O Rei ofereceu a placa ao ex-corintiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.