Alex: o queridinho da torcida turca

No ano passado, a direção da equipe do Fenerbahce lançou uma campanha inusitada entre seus torcedores: pediu que todos aqueles que pudessem gastar um pouco de seu salário que comprassem artigos do time, como camisetas, bonés ou escudos. O motivo era simples: obter dinheiro suficiente para trazer para a equipe da Turquia o brasileiro Alex. A promoção funcionou. Hoje, um ano depois, o jogador já recompensou os esforços dos torcedores e conseguiu a façanha de ser unanimidade em toda Istambul, cidade dividida entre os fervorosos e arqui-inimigos torcedores do Galatasaray, Besiktas e do próprio Fenerbahce. "Sou torcedor do Besiktas, mas todos reconhecem que Alex é uma estrela", afirmou um guia turístico. Para o estudante Savas Sirikci, 22 anos, o jogador " representa tudo o que os turcos imaginam que seja o futebol brasileiro, com alegria". Uma das pessoas entrevistadas pelo Estado chegou a encomendar que a reportagem pedisse à Alex um autógrafo caso o visse. Em uma das lojas de artigos esportivos da cidade turca, a camisa com o nome do jogador é a escolhida para estar na vitrine. "Colocamos a camisa do Alex à vista porque sabemos que as pessoas prestam mais atenção a tudo o que vem dele", afirmou a dona da loja, no centro histórico de Istambul. O sucesso de Alex se explica por seu desempenho em campo. O jogador tem liderado a equipe e foi o segundo melhor artilheiro do campeonato em 2004 e 2005. a equipe ocupa a segunda posição no campeonato turco com dois pontos a menos que o Galatasaray. Na Liga dos Campeões da Europa, Alex também é o destaque da equipe. No recente jogo contra o PSV, o brasileiro fez dois dos três gols da equipe. Mas não é apenas Alex que desperta o interesse dos torcedores. Sua esposa e filho são acompanhados pela imprensa local quase como estrelas. "Eles são uma família muito bonita e que desperta confiança.Nós nos sentimos até parte dessa família ", explica Savas, que passa os dias sem comer para respeitar o período religioso do ramadã. Durante um mês, os muçulmanos fazem jejum enquanto o sol estiver no céu. Alex, o queridinho do momento do mundo esportivo turco, também parece superar a questão da religião. Apesar de 98% da população do país ser muçulmana e de mulheres serem vistas no estádio usando o tradicional lenço sobre a cabeça, nenhum dos entrevistados pela reportagem sequer chegou a mencionar o fato de o jogador ser cristão. O jogador está presente até quando seu time não joga. No amistoso entre Alemanha e Turquia em Istambul, no último sábado, as camisetas com o nome Alex eram frequentes nas arquibancadas. O País do futebol ainda deu o tom da festa. Nos alto-falantes, músicas árabes eram intercaladas por canções com rítmos brasileiros. Antes da partida, um grupo de capoeira ainda se apresentou no centro do campo. "Foi assim que Alex aprendeu a jogar futebol?", perguntou uma torcedora turca.

Agencia Estado,

12 de outubro de 2005 | 09h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.