Miguel Schincariol/AFP
Miguel Schincariol/AFP

Alex Sandro admite forte concorrência por vaga de lateral na seleção

Convocados na lista original de Tite, Marcelo e Filipe Luís foram cortados por lesão

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

06 Outubro 2017 | 19h42

Quando o técnico Tite divulgou a lista de convocados da seleção brasileira para os dois últimos jogos das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, não houve qualquer surpresa com o anúncio dos nomes de Marcelo e Filipe Luís para a lateral esquerda. Afinal, os jogadores dos rivais Real e Atlético de Madrid, respectivamente, estão consolidados na equipe nacional. Só que lesões sofridas pela dupla forçou o treinador a cortá-los, apostando em Alex Sandro e Jorge.

+ Com chance de ser titular, Ederson quer dar 'passo' para a Copa

+ Seleção faz treino leve e quarteto titular 'brinca' no CT do São Paulo

Titular no jogo da última quinta-feira contra a Bolívia, em La Paz, Alex Sandro reconheceu que a concorrência para seguir na seleção é grande, o que pode deixa-lo de fora do Mundial na Rússia. Mas ele assegura que a situação pode até ajuda-lo na sua carreira, pela exigência de atuar constantemente em alto nível.

"A concorrência interna é muito boa, ajuda e fortalece o grupo. Não é só na lateral, todas as posições podem ter mudanças porque na seleção sempre foi assim. Isso faz você melhorar. Tento fazer bem meu trabalho no clube e aproveitar as oportunidades na seleção", afirmou o lateral-esquerdo da Juventus em entrevista coletiva no CT do São Paulo, na Barra Funda, palco do treinamento da seleção brasileira nesta sexta-feira.

Alex Sandro ainda não sabe se receberá nova chance de Tite no duelo desta terça-feira contra o Chile, no estádio Allianz Parque, em São Paulo. Mas reconhece que se a oportunidade aparecer, terá que apresentar grande futebol, pois a concorrência na lateral esquerda do Brasil é grande. "Você tem que trabalhar para merecer a oportunidade. A seleção tem ótimos laterais, como o Felipe e o Marcelo, mas também outros que tiveram chance, como o Jorge, que está bem no clube. A seleção só tem a ganhar com essa disputa", comentou.

Até por isso, Alex Sandro foi mais um jogo a refutar a possibilidade de o Brasil não se esforçar diante do Chile com a intenção de prejudicar a Argentina, sob grande risco de ficar fora da Copa do Mundo. "A seleção está onde está porque levou tudo a sério. Nesse jogo, pode ter certeza, faremos o máximo, com coração e orgulho. O Brasil só joga pela vitória", declarou.

Um dos titulares do Brasil contra a Bolívia, Alex Sandro só fez trabalhos regenerativos leves no treino desta sexta-feira. E o jogador ainda tem na memória o confronto na elevada altitude de La Paz, que terminou empatado em 0 a 0. "Foi meu primeiro jogo na altitude. Não imaginava que seria tão difícil. Estão todos de parabéns, os jogadores e a comissão, até aqueles que deram água e oxigênio para nós. O bom é que fizemos um bom trabalho. Queríamos a vitória, mas estamos em progresso", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.