AFP
AFP

Alexandre Pato usa rede social local para se aproximar dos chineses

Atacante brasileiro é o estrangeiro mais popular em 'Twitter chinês'

AFP
AFP

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2017 | 07h00

Alexandre Pato também é artilheiro nas redes sociais na China. Desde março ele começou um trabalho que tem o objetivo de ser uma via de mão dupla: ao mesmo tempo em que mostra aos chineses suas atividades dentro e fora de campo, hábitos, gostos, enfim, como vive e o que pensa, tenta conseguir informações sobre a vida e a cultura chinesas.

Essa segunda parte é dificultada pela barreira da língua. Ainda assim, lhe dá alguns ensinamentos, além de torná-lo mais conhecido. “Tenho usado bastante a rede social e estou tendo um reconhecimento rápido. Mostro como é a minha vida e as pessoas gostam bastante'', diz Pato.

Na China, Alexandre Pato se dedica mais, com a ajuda de um assessor que conhece desde os tempos de Milan, ao trabalho por meio do Sina Weibo. Para ele, esse microblog local é como um olho no país, pois funciona como um termômetro do que acontece por lá.

No Sina Weibo, Pato tem 300 mil seguidores, uma quantidade ínfima num país com cerca de 1,4 bilhão de habitantes. Mas a visibilidade é grande. Um post feito por ele na última terça-feira, por exemplo, teve nos primeiros dois dias mais de 10 milhões de visualizações e mais de 50 mil likes. Em média, o atacante tem de 4 a 5 milhões de visualizações por post e atualmente é o estrangeiro mais popular neste Twitter chinês.

Todas as postagens de Pato são seguidas de textos em chinês e inglês. A interação é difícil, por causa da barreira da língua. Mas uma coluna que ele publica todas as segundas-feiras tem em média 700 mil visualizações.

Em nível global, Alexandre Pato também tem atividade no Facebook (alexandre pato oficial, 2,4 milhões de seguidores), Instagram (alexandrepato_oficial, 2,7 milhões) e Twitter (@alexandrepato, 1,26 milhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.