Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Algoz do Corinthians em 2015, técnico do Cerro Porteño sonha com vaga

Espanhol Fernando Jubero é fã do futebol brasileiro e fala em buscar 'milagre' no confronto com o Palmeiras

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

30 Agosto 2018 | 05h00

O técnico Fernando Jubero volta a São Paulo para conseguir uma outra façanha internacional. Três anos depois de derrubar o Corinthians na Libertadores em plena arena alvinegra no comando do modesto Guaraní, do Paraguai, o espanhol de 44 anos tem um desafio ainda maior ao tentar superar o Palmeiras.

A tarefa de desclassificar um time brasileiro é um paradoxo para Jubero. Nascido na Catalunha e ex-funcionário das categorias de base do Barcelona – foi observador técnico –, ele é um grande fã do futebol do Brasil. No primeiro semestre, chegou a se encontrar com o hoje adversário Luiz Felipe Scolari durante evento em Bilbao, na Espanha, e veio ao País para visitar clubes e conversar com alguns treinadores.

O Corinthians foi o seu principal destino. Jubero visitou o atacante Romero e o zagueiro Balbuena no CT do clube e comprou ingressos para ver, entre os torcedores, o jogo do time com o Ceará, pelo Campeonato Brasileiro.  

Jubero é conhecido no Paraguai pelo trabalho pautado na motivação e gestão de pessoas. Por ser formado em psicopedagogia, utiliza fundamentos da área para liderar suas equipes. O treinador se mudou para o Paraguai há 15 anos e conseguiu destaque no cenário local ao ser vice-campeão nacional em 2014, com o modesto Guaraní.  

No ano seguinte, levou a equipe à semifinal da Libertadores, ao eliminar o Corinthians de Tite nas oitavas de final daquela edição. Jubero dirigiu logo depois o Olímpia, foi campeão paraguaio com o Libertad e assumiu o Cerro Porteño na última semana. Teve somente uma partida no cargo até agora. No domingo, o time goleou o General Díaz por 4 a 1.

"Vamos em busca de um milagre em São Paulo. Jogamos como visitante e com dois gols de desvantagem, mas futebol é futebol", afirmou o treinador. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.