Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Aliados de Leco apontam problemas e pedem ajustes no estatuto do São Paulo

Grupos da base querem que cargos remunerados sejam ocupados por profissionais na área, e não por aliados políticos

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2018 | 15h30

A reunião do Conselho Deliberativo do São Paulo na noite da última terça, no Morumbi, agitou o bastidor do clube neste meio de semana. Durante o encontro, o presidente do órgão, Marcelo Pupo Barboza, fez a leitura de um requerimento de três grupos da base de apoio ao mandatário tricolor, Carlos Augusto de Barros e Silva, que contesta algumas decisões da atual diretoria do clube.

São Paulo recebe o CRB para tentar aliviar a pressão sobre Dorival

Mais de 70 conselheiros, representados pelos grupos "Participação", "Legião" e "Vanguarda", pedem uma revisão de alguns aspectos do novo estatuto do São Paulo, que passou a valer no início do ano passado.

Para eles, há brechas que ainda permitem que cargos remunerados do clube sejam ocupados por parceiros políticos do presidente. Os conselheiros argumentam que querem profissionais de "notório saber" nas áreas para as quais são indicados ou contratados. As críticas abrangem cargos em todas as diretorias executivas do clube, com exceção do futebol, que tem Raí e Ricardo Rocha como comandantes há pouco tempo.

Não houve nenhum tipo de "rompimento" dos conselheiros com a diretoria de Leco. Na avaliação de membros desses grupos, a intenção também não é pedir a demissão de diretores executivos e gerentes já contratados, e sim evitar que novas indicaçõs deste tipo sejam feitas daqui para frente.

Durante a reunião, os conselheiros ainda elegeram os cinco novos membros da comissão disciplinar do clube, órgão que recebe e investiga denúncias contra membros do próprio clube. Foram eleitos David Fuchs, Maurício de Sá, Luis Braga, Rodrigo Martinez e Adolfo Machado Neto.

O resultado agradou opositores de Leco, que dizem ter maioria no órgão. Adolfo e Martinez são ligados a grupos da situação, e Maurício e Fuchs, da oposição. Luis Braga é visto como neutro, mas integra um grupo liderado por um ex-aliado do presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.