Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Alison vê Santos mais confiante e diz acreditar em vaga na Libertadores

Time ascendeu várias posições no Brasileiro e motivou o elenco santista

Estadão Conteúdo

02 Outubro 2018 | 21h14

O volante Alison avaliou nesta terça-feira que a chegada do técnico Cuca deu mais confiança aos jogadores do Santos. De candidato ao rebaixamento, o time ascendeu várias posições e passou a até mesmo sonhar com uma classificação à Copa Libertadores através do Campeonato Brasileiro, além de ter visto o crescimento de rendimento de vários jogadores.

"Mudou muito a confiança. O futebol tem muito disso. O jogador tem que estar confiante. Passamos por um momento difícil e perdemos um pouco dela, mas conseguimos recuperar e temos um novo momento", afirmou o meio-campista em entrevista coletiva no CT Rei Pelé.

Alison vem se destacando pelo Santos não só pelos desarmes - são 61, na liderança nesse quesito pelo clube -, mas também em avanços ao ataque. E ele apontou o bom entendimento com Diego Pituca e as conversas com Cuca como razões para a sua evolução.

"O Cuca me dá liberdade. É óbvio que em primeiro lugar penso em proteger a zaga e marcar, mas me dá liberdade para chegar na frente. Quando eu vou, o Pituca segura. A gente coordena dentro dos jogos e tem que manter dessa forma", disse.

No domingo, o Santos encerrou uma série de três jogos sem triunfos no Brasileirão e chegou aos 36 pontos, na oitava colocação, ao bater o Atlético Paranaense por 1 a 0. E ainda que o time esteja a nove pontos da zona de classificação à Libertadores, Alison mantém otimismo ao comentar as chances da equipe, que voltará a jogar na sexta-feira, no Barradão, diante do Vitória.

"O Brasileirão é difícil e qualquer ponto perdido faz falta. Perdemos no começo, mas passou. Pensamos jogo a jogo, com calma, mas nosso objetivo e pensamento são classificar para a Libertadores. Ainda depende da gente. Se somarmos muitos pontos, as chances aumentam. Nosso pensamento é esse, somando o máximo para vermos o que dá lá no final", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.