Lucas Figueiredo|Mowa Press
Lucas Figueiredo|Mowa Press

'Alisson é goleiro, mas pensa como atacante', elogia Dunga

Jogador será titular no amistoso e também na Copa América

Almir Leite e Gonçalo Junior, Enviados especiais a Denver

29 de maio de 2016 | 10h35

O técnico Dunga explicou uma das razões da rápida ascensão do goleiro Alisson, que era a terceira opção da seleção brasileira e será titular no amistoso deste domingo contra o Panamá e também na Copa América. Para o treinador, o principal diferencial do arqueiro é pensar como atacante.

"Tive a oportunidade de trabalhar com ele no Internacional e já o tinha escalado para jogar. "São informações que nós temos, observamos o jogador, os treinamentos. Conversando com o Tinga (ex-jogador do Inter), ele me disse que o Alisson pensava como atacante. Quando ele vai na bola, ele pensa como se estivesse no lugar do atacante, como vai chutar a bola. Comecei a observar. Ele se atira como goleiro, mas tem que pensar como atacante, se vai driblar, chutar na diagonal, tocar por cima. Essa é uma outra postura", explicou o treinador em entrevista coletiva neste sábado em Denver, local da partida contra o Panamá.

O treinador também destacou a personalidade do goleiro, que acabou de se transferir para a Roma. "Também tem a personalidade. Às vezes, você chega para falar com o jogador e ele nem espera você acabar de falar e já responde: estou pronto. Então você percebe a personalidade do jogador", disse Dunga.

Alisson assumiu o gol do Internacional no dia 12 de outubro de 2014. Depois de um ano, tornou-se titular da seleção brasileira. Chamado como o terceiro goleiro para as Eliminatórias, ele via à sua frente Jefferson, do Botafogo, que era o titular, e Marcelo Grohe, do Grêmio, o seu reserva imediato.

Jefferson não foi bem na derrota para os chilenos, por 2 a 0, em Santiago, e já vinha sendo contestado por atuar na Série B no ano passado. Grohe sofreu uma lesão no ombro nos treinos e foi cortado. Alisson atuou contra Venezuela, depois segurou a Argentina em Buenos Aires. Na Copa América, seu grande concorrente será Diego Alves, do Valencia, que retorna após um longo período de afastamento causado por uma grave contusão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.