Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Alisson relembra histórico positivo contra Messi e pede força coletiva à seleção

Goleiro se inspira em vitória do Liverpool sobre o Barcelona para convocar espírito de equipe para semifinal

Ciro Campos, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2019 | 21h28

Enfrentar Lionel Messi não parece ser um problema para o goleiro Alisson, da seleção brasileira. O jogador do Liverpool se deu bem diante do argentino em confrontos recentes pela Liga dos Campeões e nesta segunda-feira, em Belo Horizonte, pediu para o Brasil se inspirar nessas partidas para conseguir ter uma boa atuação no confronto no Mineirão válido pela semifinal da Copa América contra a Argentina.

Nas duas últimas temporadas da Liga dos Campeões o goleiro eliminou o Barcelona de Messi. Em 2018, pela Roma, Alisson ajudou o time a passar pela clube catalão pelas quartas de final. Já nesta temporada, com a camisa do Liverpool, foi a vez da vitória vir na semifinal. Para o camisa 1 da seleção, as vitórias mostram o quanto a força coletiva pode ser importante para deter o talento de Messi.

"Cada partida tem sua história. Mas esses jogos foram histórias vencedoras, porque contei com a força de equipes que jogavam coletivamente. Aqui não será diferente. A seleção tem crescido nesse aspecto e ganhado em entrosamento", afirmou Alisson em entrevista coletiva. O goleiro acumula oito partidas seguidas sem tomar gol, entre compromissos pela seleção e também pelo Liverpool.

Alisson teve boas atuações nos confrontos com Messi e quando esteve pela seleção brasileira diante do argentino, jamais tomou um gol dele. A memória mais marcante desses encontros vem justamente da semifinal da última Liga dos Campeões, quando o Liverpool perdeu por 3 a 0 fora de casa, porém fez 4 a 0 no Barcelona na volta, na Inglaterra, e confirmou passagem para a decisão.

O goleiro apontou esses confrontos como um exemplo para explicar que no futebol a força coletiva pode ser mais decisiva. "O Messi fez a diferença no estádio deles. Só que na volta nosso coletivo prevaleceu e conseguimos a classificação. No clássico vai contar muito a determinação e convicção no trabalhos. Nós criamos isso dentro da competição. Eu prefiro focar no coletiva, porque isso pode te dar mais resultados", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.