Aliviados, donos da casa vibram com vitória na estréia

O palco estava perfeito para a festa completa da torcida alemã no coração de Berlim, a Potsdamer Platz, tradicional local de concentração para os jogos dos anfitriões. Mas quem foi à praça famosa, hoje um moderno ponto de encontro instalado por onde o antigo Muro que dividia a cidade passou, sofreu com a fraca atuação da defesa do time de Jürgen Klinsmann. Apesar da tensão, o final empolgou mais do que o esperado e muitos saíram para comemorar nas ruas da capital aliviados e eufóricos.Aos gritos de "Deutschland, Deutschalnd (Alemanha, Alemanha) e "Deutschland wird Weltmeister" (Alemanha será campeã do mundo), os torcedores tentavam espantar os momentos de suspense durante o jogo, quando a Costa Rica ameaçou seriamente a defesa alemã. Antes de a partida começar, muita festa com as cores nacionais alemãs.De cocares a bonés, de cachecóis a bandeiras, os símbolos com vermelho, ouro e preto coloriam todo o Sony Center, tomado pela rede de TV estatal alemã ZDF para a transmissão dos jogos da Copa. Muita tecnologia a serviço do espetáculo, com gruas e telões de alta definição. A ZDF Arena está com todos os ingressos vendidos para todos os jogos da seleção nacional. Quem não tem ingresso tem de ficar de pé nos espaços livres para acompanhar a seleção.Depois dos cara-pintadas do país do Mundial, os que mais chamavam a atenção eram aqueles com as cores brasileiras. Muitas camisas de Ronaldinho e Ronaldo mostravam a moda desta Copa. "Visto esta camisa porque gosto do Brasil. Eles jogam muito", confessa Ycip, jovem de Berlim que prestigiou a Alemanha. Segurança e alívioComo todos os eventos da capital alemã durante esta Copa, desde a Fetsa de Abertura, no Portão de Brandemburgo, a Potsdamer Platz contava com um forte esquema de segurança, com policiais à paisana e sistema de câmeras. No meio disso tudo, uma típica festa alemã, com direito aos famosos Biergarten espalhados pelo Sony Center, que faziam companhia à arquibancada montada para o Mundial. O ambiente chegou rápido ao clímax com o golaço de Phillip Lahm, aos 5 minutos, com direito a "Ola" e outros cantos de incentivo . Mas o balde de água fria veio com o primeiro gol de Wanchope. A animação deu lugar a apreensão até o segundo gol alemão, com Klose. Na etapa final, o alívio só chegou com o outro golaço de Torsten Frings, aos 41, que garantiu o que a defesa não pôde garantir.Com o apito final, toda a região ao redor da Potsdamer Platz virou qualquer rua brasileira, com buzinaço, coros entoados e muita festa. "Não tive receio, foi um superjogo", falava o confiante Matthias Ernst, de Berlim. "Eu acertei o placar, apostei 4 a 2", lembrava, escondendo o sufoco passado durante a partida. Lá fora, os torcedores não paravam de gritar e até profetizavam. "Ohne Brasilien, Deutschland ist Weltmeister" (Sem o Brasil, a Alemanha é campeã mundial).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.