Lluis Gene / AFP
Lluis Gene / AFP

Alonso minimiza jejum de vitórias na F-1: 'Ainda sou competitivo'

Espanhol não ganha principal categoria do automobilismo há cinco anos, mas venceu prova de endurance no último fim de semana

Estadão Conteúdo

10 Maio 2018 | 13h54

O espanhol Fernando Alonso voltará neste fim de semana ao palco de sua última vitória na Fórmula 1, em 2013. No GP da Espanha, ele completará cinco anos sem um triunfo na categoria. Mas o jejum não incomoda o bicampeão, que vem de vitória no Mundial de Endurance (WEC), no fim de semana passado.

Na lanterna da F-1, Williams vê projetista chefe se demitir após 12 anos no cargo

+ FIA mantém punições a Sirotkin por incidente no GP do Azerbaijão

"Eu mantenho a minha motivação porque sou competitivo. Adoro correr, adoro vencer. Fiz grandes corridas nos últimos cinco anos, em comparação aos anteriores, mesmo que eu não tenha vencido corridas", diz o espanhol, que correrá diante de sua torcida no domingo, nos arredores de Barcelona.

Para Alonso, a corrida no Azerbaijão, na etapa passada, foi um bom exemplo de sua performance, ainda que tenha cruzado a linha de chegada somente em 7º. "Eu provavelmente nunca fiz uma corrida como fiz em Baku. É difícil entender para quem está do lado de fora. Mas fico extremamente orgulhoso e motivado a cada performance pontual como esta", afirma.

O piloto da McLaren chegará ao seu GP em casa no embalo do triunfo obtido no WEC, na etapa de abertura da temporada, nas 6h de Spa-Francorchamps. Apesar disso, ele nega qualquer impulso extra.

"Meu começo na categoria não foi nada mal em termos de resultados e pontuação. Mas a vitória em Spa é numa categoria diferente, são dois mundos separados. Isso não vai mudar nada para mim", diz Alonso.

O espanhol é o sexto colocado no Mundial de Pilotos, com 28 pontos, atrás dos carros da Mercedes e da Ferrari e também da Red Bull do australiano Daniel Ricciardo. A liderança está com o inglês Lewis Hamilton, com 70.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Fernando Alonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.