Altitude de Quito não preocupa Robinho

No jogo contra o Bolívar, a 3.600 metros de altitude de La Paz, o atacante Robinho ainda encontrou forças para marcar um gol no final da partida. Agora, ele espera repetir a atuação em Quito (2.800 metros), aproveitando que não sente tanto os efeitos de jogar em cidades tão altas. "Alguns companheiros sentiram bastante e eu senti menos, mas senti e essa é uma coisa que temos de enfrentar, não tem jeito", disse. "Em La Paz senti um pouco, mas tive a felicidade de fazer um gol no final e espero repetir isso em Quito, onde a altitude é menor", comentou Robinho, que marcou dois gols nesta Libertadores, um em cada jogo do Santos. "Fazendo gols estou ajudando minha equipe e quero continuar marcando". Para Robinho, que pode deixar o Brasil no meio do ano, os jogos da Libertadores da América ganham importância maior por conta do efeito vitrine. Com um olho na valorização de seu futebol junto aos dirigentes europeus e com outro na seleção brasileira, ele tem tudo para jogar uma grande partida e é isso o que espera fazer. "Eu pretendo conquistar essa Libertadores e servir bem a seleção e toda minha atenção está voltada para isso", disse o atacante, que conta com uma vitória em Quito. "Os jogos da Libertadores são sempre difíceis, ainda mais com nosso time jogando desfalcado, mas independente dessas dificuldades, temos de lutar pelo título e quem entrar tem de dar conta do recado". Robinho não liga para o retrospecto que aponta um equilíbrio entre as duas equipes, com ligeira vantagem para os equatorianos. "Tabus e retrospectos existem para ser quebrados, não jogamos bem contra a LDU nas últimas partidas, mas cada jogo tem uma história e esperamos que desta vez seja diferente". Olhando a tabela e vendo o equilíbrio entre as quatro equipes do grupo, Robinho faz as contas e acha que a vitória sobre a LDU é um passo importante para a classificação. O Santos ficaria com seis pontos ganhos que dariam uma tranqüilidade maior, já que no segundo turno enfrentará o Bolívar e a LDU na Vila Belmiro e o Danúbio no Uruguai. "Por isso, temos de sair de lá com uma vitória", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.