Altitude e gramado preocupam Leão

A comissão técnica da seleção brasileira tem duas preocupações para o jogo contra o Equador, no dia 28, pelas Eliminatórias do Mundial de 2002: a altitude de Quito e o estado do campo em que será disputada a partida. Acompanhado de outros integrantes da comissão, o coordenador-técnico Antônio Lopes esteve na cidade equatoriana para procurar soluções para minimizar os dois problemas.Baseado nessa visita e em estudos científicos, Lopes e o técnico Emerson Leão decidiram que o time só viajará para Quito no dia do jogo. Ficou comprovado, por experiências de outros times brasileiros, que, desta forma, o efeito da altitude sobre o jogadores será menor."Mas também não podemos fazer da altitude um fantasma. O importante é pensar no adversário", avisou Leão. Ele também lembrou que a capital equatoriana é mais baixa do que La Paz, onde são disputados os jogos da seleção da Bolívia.Outro obstáculo que a seleção brasileira vai enfrentar são as armadilhas dos equatorianos. A comissão técnica descobriu, em conversas com outros treinadores do País, que o adversário costuma jogar água e areia no campo. O gramado, assim, fica mais ?pesado?, o que dificulta o toque de bola de equipes mais técnicas, como o time do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.