Reprodução
Reprodução

Alvos de racismo em clássico na Ucrânia, Taison e Dentinho saem de campo chorando

Brasileiros foram vítimas de racismo durante jogo entre Shakhtar Donetsk, que jogava em casa, e Dínamo de Kiev

Redação, Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2019 | 16h26

O clássico ucraniano entre Shakhtar Donetsk, que jogava em casa, e Dínamo de Kiev registrou mais um caso de racismo contra jogadores de futebol. Desta vez com dois brasileiros envolvidos neste domingo: os atacantes Taison e Dentinho.

Taison, que atua no Shakhtar, acabou expulso por mostrar o dedo do meio em um gesto obsceno e chutar a bola em direção à torcida rival, em resposta às ofensas direcionadas a ele e a seu companheiro de time, Dentinho.

O lance aconteceu aos 28 minutos do segundo tempo no estádio Metalist, quando o time da casa já vencia por 1 a 0 com gol marcado por Krystov. Taison tentava jogada individual pela ponta esquerda, quando fez uma falta. Ao ouvir sons em imitação a macacos que vinham da pequena ala reservada para a torcida visitante, o ex-jogador do Internacional respondeu com o gesto obsceno, tomou a bola das mãos do goleiro adversário e a chutou em direção às arquibancadas.

Percebendo o tumulto que se formava, o árbitro paralisou a partida e ameaçou encerrar o clássico. Os jogadores do Dínamo pediram a seus torcedores que parassem com as manifestações racistas. Taison e Dentinho foram vistos chorando. No reinício do jogo, cerca de oito minutos depois, o brasileiro acabou sendo expulso e saiu de campo ainda aos prantos.

Após o ocorrido, a diretoria do Shakhtar emitiu uma nota, divulgada em suas redes sociais, em apoio a seus atletas. "O Shakhtar se opõe categoricamente a qualquer manifestação de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância. Não pode haver justificativa para aqueles que insultam com base em raça, crenças religiosas ou políticas. Esse comportamento é inaceitável nos países civilizados e nos campeonatos de futebol. A Uefa aplica as sanções mais rigorosas a clubes e associações cujos torcedores demonstram racismo nas partidas", destacou o clube.

Em seguida, a nota oficial é finalizada com uma cobrança de punição aos atos racistas. "O Shakhtar é uma grande família de jogadores de futebol, para quem esses incidentes humilhantes trazem dor e decepção. Condenamos esse comportamento dos torcedores, sempre apoiaremos e protegeremos nossos jogadores. Pedimos às autoridades do futebol e aos clubes que parem o racismo nos estádios", completou.

No Brasil, Corinthians e Internacional, ex-clubes de Dentinho e Taison, respectivamente, postaram em suas redes sociais mensagens de repúdio às manifestações racistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.