Amaral queria Washington de presente

No dia de seu aniversário e entusiasmado com a festa surpresa promovida por funcionários e diretores do São Paulo, hoje, no Morumbi, o presidente Paulo Amaral disse considerar difícil a chegada de um presente que ele e a torcida esperavam. Segundo ele, as possibilidades de Washington ser contratado são remotas. O atacante da Ponte Preta estava nos planos do clube para substituir França, negociado com o Bayer Leverkusen, da Alemanha. "Mas nunca chegamos a fazer proposta para a Ponte Preta. Estamos esperando a definição da situação do França", afirmou. Os campineiros têm intenção de fazer dinheiro com Washington e, por isso, liberaram seu procurador, Gilmar Rinaldi, a correr atrás de interessados. O empresário e ex-goleiro está na Europa. O técnico Nelsinho Baptista indicou o atleta e a diretoria ainda vai tentar levá-lo para o Morumbi. O valor que a Ponte pedirá pelo empréstimo do atleta, porém, deverá ser o maior empecilho para os são-paulinos. Amaral não está disposto a pagar muito. O dirigente deve anunciar amanhã oficialmente a venda do passe do atacante França para o Bayer. Pela manhã, em conversa com os alemães, será definido se o jogador viaja agora para Leverkusen ou se vai apenas no meio do ano.

Agencia Estado,

14 de janeiro de 2002 | 21h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.