Amazônia e Pantanal receberão jogos da Copa-2014, diz ministro

Uma cidade da Amazônia e uma do Pantanal estarão entre as 12 escolhidas pela Fifa para sediar partidas da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, disse nesta quinta-feira o ministro dos Esportes, Orlando Silva. Segundo Silva, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, deu o aval à iniciativa proposta pelo governo brasileiro durante encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília. "São destinos turísticos fundamentais do país, que merecem ser promovidos", disse o ministro, segundo informações da Agência Brasil. Blatter encontrou-se com o presidente Lula nesta quinta, um dia após ter anunciado, em São Paulo, que o Mundial do Brasil terá 12 sedes, e não 10, como a Fifa desejava inicialmente. Os organizadores brasileiros defendiam o maior número de sedes, com a alegação de levar a Copa a mais regiões do país. Dezessete cidades disputam o direito de sediar partidas da Copa de 2014. Entre elas, Manaus e Belém estão localizadas na região amazônica, enquanto Cuiabá e Campo Grande estão no Pantanal. Durante a visita de Blatter a São Paulo, o governador do Amazonas, Eduardo Braga, aproveitou para fazer campanha pela capital do Estado, Manaus. A decisão sobre as cidades que receberão o Mundial deve ser anunciada em março, segundo Orlando Silva. SEM CONDIÇÕES Na sexta-feira, uma equipe da Fifa inicia vistorias nas cidades candidatas, e o ministro dos Esportes já alertou que, no momento, nenhuma delas estaria apta a receber jogos do Mundial. "Há cidades que precisam modernizar os estádios, reformar aeroportos. Em outras, a rede hoteleira precisa ser expandida. Há diferentes demandas, mas creio que a Fifa irá analisar também a capacidade de realização de investimentos", avaliou o ministro. Já o presidente da Fifa considerou que a Copa de 2014 está em boa fase de preparação e comemorou as garantias governamentais para a realização do evento. "Estou feliz por constatar que os Estados e o governo federal vão dar garantia para esta organização", disse Blatter.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.