Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Ambulantes lamentam pouca torcida do Fla no entorno do Ninho do Urubu

Vendedores de cerveja e churrasco criticam esquema de segurança e comparam com viagem para final da Libertadores

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

13 de dezembro de 2019 | 15h17

O esquema especial de segurança montado para assegurar o rápido deslocamento da delegação do Flamengo do Ninho do Urubu ao Aeroporto do Galeão funcionou, assim como o pedido das autoridades para que o torcedor rubro-negro evitasse aglomeração em torno do CT do clube, em Vargem Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira. Mas isso frustrou, e muito, dezenas de vendedores ambulantes que esperavam faturar aproveitando a onda do "Aerofla".

No mês passado, uma multidão foi ao Ninho do Urubu no dia em que o Flamengo embarcou para Lima, onde disputaria a final da Copa Libertadores três dias mais tarde. "Vim de Niterói pensando que seria igual, mas hoje está muito fraco", contou a ambulante Luciana Pinheiro, que se deslocou mais de 60 quilômetros para tentar vender refrigerantes, cervejas e balas. "Cheguei às 7h da manhã, mas não vendi nada, nada mesmo", lamentou, por volta das 11h, quando desistiu de tentar e iniciou seu caminho de volta para casa.

O vendedor de churrasquinhos Maicol Douglas, 20 anos, também estava frustrado. "Eu vim da outra vez, vendi uns R$ 1 mil. Hoje, não deu R$ 100. Esculacharam nossa torcida", reclamou, citando o esquema de segurança montado. "O pessoal deve ter ido tudo pro aeroporto."

Vilmar Santana, de 42, estava mais resignado. Morador da região do Ninho, ele costuma vender faixas e bandeiras no local. Nesta sexta, ele chegou por volta das 9h e encontrou, ao menos, um movimento melhor que o de costume. "Bandeira sempre vende bem. Tô feliz."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.