Sirli Freitas / Chapecoense
Sirli Freitas / Chapecoense

Ameaçada, Chapecoense encara jogo contra o Sport como 'final'

Sport incha delegação para confronto direto e jogo seguinte, também fora de casa, contra o São Paulo

Estadão Conteúdo

22 de novembro de 2018 | 07h54

Precisando pontuar nas últimas três rodadas do Brasileirão, o elenco da Chapecoense está tratando o confronto diante do Sport, nesta quinta-feira, como uma verdadeira final de campeonato. Para o jogo, o técnico Claudinei Oliveira faz mistério e não confirma a escalação, mas garante a disputa entre Doffo, Bruno Silva e Diego Torres no ataque.

"A questão dos centroavantes, vamos falar em números, o Leandro Pereira tem oito, o Wellington Paulista tem cinco e o Doffo tem três. São 16, a Chape tem 31 no campeonato, então mais da metade dos gols foram marcados por esses três atletas, não quer dizer que vão jogar, mas é lícito querer colocar em campo os que têm mais chances de balançar as redes", justificou.

Além da dúvida no ataque, o treinador não poderá contar com o lateral-esquerdo Bruno Pacheco, suspenso. Assim, Alan Ruschel e Roberto disputam a posição. A boa notícia é o retorno do volante Amaral, que cumpriu suspensão na última rodada. Com isso, Elicarlos deve voltar para o banco.

O treinador comentou sobre o clima de mistério adotado na semana. "Eu falei que não tenho hábito de fechar treinos, mas se fosse necessário, faríamos, porque temos que pensar na Chapecoense. É uma questão estratégica, uma decisão, temos que esconder. Ninguém vai fazer uma revolução na equipe, Alan Ruschel ou Roberto, Amaral ou Elicarlos, a questão do Doffo pensamos em alternativas", completou.

Vindo de duas derrotas seguidas, a Chapecoense ocupa está na zona de rebaixamento, com 37 pontos ganhos. Já o Sport tem 38 pontos.

SPORT INCHA DELEGAÇÃO PARA JOGOS FORA DE CASA

O técnico Milton Mendes adotou uma estratégia inusitada para a reta final do Campeonato Brasileiro. Com dois jogos consecutivos como visitante, ele inchou a lista de relacionados para a viagem até Chapecó (SC). São 28 jogadores que compõem a delegação para o jogo de seis pontos contra a Chapecoense nesta quinta, às 21 horas, na Arena Condá.

Sem tempo para descansar, o grupo já viaja na sexta-feira para enfrentar o São Paulo no Morumbi na próxima segunda-feira, às 20 horas. Por isso o treinador deixou de fora do grupo apenas os jogadores lesionados e que não teriam condição de jogo.

A única dúvida que viajou com o grupo é o lateral-esquerdo Sander. Ele vem se recuperando de uma entorse no tornozelo esquerdo e ainda depende de reavaliação dos médicos para saber se tem condições de jogo. Se for vetado, Raul Prata deve ser improvisado no setor - ele já jogou três vezes na posição. No restante do time não deve ter mudanças, mantendo a base que perdeu para o Flamengo por 1 a 0 no último final de semana na Ilha do Retiro.

Os dois jogos como visitante podem encerrar o drama ou afundar o Sport ainda mais na zona de rebaixamento. Com 38 pontos, o clube nunca venceu na Arena Condá ou no Morumbi, o que torna a missão ainda mais difícil. Ao término do jogo com a Chapecoense, faltarão apenas dois jogos para o final da temporada.

Rogério, com dores no púbis, Morato, tratando o joelho, Durval, ainda em reforço muscular, Max, com o cotovelo contundido, e Magrão, que fraturou o braço, seguem em Recife. A única exceção na lista de cortados está o lateral esquerdo Evandro, que tem treinado normalmente, mas aparamente está fora dos planos do clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.