Manu Fernandez / AP
Manu Fernandez / AP

Ameaçado, Lopetegui diz estar tranquilo para dirigir Real na Liga dos Campeões

Técnico garante que equipe irá lutar para reverter situação ruim das últimas partidas

Estadão Conteúdo

22 Outubro 2018 | 10h38

Sétimo colocado no Campeonato Espanhol com 14 pontos, quatro atrás do líder Barcelona, com quatro vitórias, dois empates e três derrotas, sendo a última diante do Levante em pleno estádio Santiago Bernabéu, em Madri, no último sábado. Mesmo assim, o técnico Julen Lopetegui busca passar um clima de tranquilidade no Real Madrid na véspera do confronto em casa contra o Viktoria Plzen, da República Checa, pela terceira rodada da Liga dos Campeões da Europa.

"Eu vejo tudo de uma forma muito mais normal. Encaro o dia a dia com a normalidade de sempre, eu entendo que temos uma forma de fazer as coisas e é a única coisa que está sob nosso controle. Se você quiser ver um treinador afundado ou abatido não olhe para mim. Pelo contrário, eu estou com o máximo de entusiasmo e com vontade de vencer nesta terça-feira fazendo uma grande partida", disse o treinador, em entrevista coletiva.

Lopetegui tentou passar uma mensagem de força e de confiança na busca de uma reação imediata dos jogadores para poder continuar no comando do Real Madrid. Posição que ficou muito ameaçada após a derrota, em casa diante do Levante, pela nona rodada do Campeonato Espanhol.

"O que eu aprendi neste clube é que é preciso lutar, é o DNA do Real Madrid. Vamos lutar por reverter uma situação que não é a melhor, mas estamos cientes de que estamos na hora de reverter isso e vamos lutar para fazer conseguir isso neste próximo jogo", disse Lopetegui.

O treinador só perdeu o controle quando perguntado se estaria no banco do Real Madrid no clássico do próximo domingo contra o Barcelona, no estádio Camp Nou, em Barcelona. "Eu não posso dizer o que vai acontecer daqui um mês ou daqui um ano. Nós estamos concentrados no presente. Se estou aqui é porque irei dirigir o time nesta terça-feira. Não há dúvidas".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.