Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

Ameaçado no Atlético-MG, Rodrigo Santana diz que sequência de jogos atrapalha

Treinador lamenta atuação ruim na derrota para o Vasco por 2 a 1, nesta quarta, em Minas Gerais

Redação, Estadão Conteúdo

02 de outubro de 2019 | 23h00

A virada sofrida pelo Atlético-MG nos acréscimos provocou a ira da torcida após a derrota para o Vasco, por 2 a 1, nesta quarta-feira à noite, em jogo atrasado da 21.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mas a expectativa de demissão do técnico Rodrigo Santana, desgastado pelos maus resultados, ainda não se concretizou. Em entrevista coletiva, ele tentou explicar os motivos desta nova derrota em casa.

"Nosso time ficou muito atrás, com uma postura defensiva. Era para ser o contrário, porque teríamos que atacar o Vasco e acabamos sendo dominados por ele. Acho que ficou fácil demais para o Vasco, ficou confortável para eles fazerem o jogo deles. Mesmo assim, não vi no Vasco muita coisa para ganhar da gente, apesar do grande técnico que é o Vanderlei Luxemburgo", disse Santana, ressaltando que fez as três trocas "pensando em por o time no ataque e buscar a vitória".

O técnico atleticano adotou um discurso passivo, reclamando das dificuldades do trabalho e da falta de entrosamento do time. "Nós fizemos um jogo muito abaixo do que podemos fazer. Com a sequência de jogos nós perdemos muitos jogadores e fica difícil fazer qualquer tipo de trabalho de qualidade. A gente tem escalado cada jogo uma formação diferente e sem tempo para trabalhar a gente tenta corrigir os erros na base da conversa e de vídeos", explicou.

Santana até apontou algumas fórmulas para mudar a postura do time dentro de campo. "É preciso dar um choque, mais cobrança. Não podemos perder pontos dentro de casa porque na reta final isso vai fazer muita falta".

Para muitos esta pode ter sido a última entrevista de Rodrigo Santana no cargo, porque a pressão da torcida e é muito grande. Ele demorou para aparecer na coletiva e, desta vez, sem as presenças dos dirigentes Rui Costa e Marques.

Mesmo assim, Santana espera buscar pontos nos próximos jogos, justamente, contra os dois melhores times do Brasileirão: Palmeiras e Flamengo, ambos fora de casa. "São times fortes, com grandes elencos, que fazem trocas de jogadores e nem sente nada, nenhuma queda de ritmo. Vai ser mais difícil do que aqui neste jogo, mas podemos nos recuperar e pontuar", encerrou, em uma tentativa de esperança de mudança.

Cabisbaixos, os jogadores pouco falaram. O capitão Fábio Santos não conseguia explicar tantos erros. "É difícil explicar. A equipe não conseguiu permanecer por muito tempo com a vantagem no placar. Enfim, momento difícil. É assumir a responsabilidade e levantar o astral. Temos jogos fora de casa e vamos ter que buscar os pontos que perdemos em casa", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.