América-MG bate o Atlético-PR no fim, deixa lanterna; Corinthians fica no G-6

Santa Cruz, agora, assume a última posição no Brasileirão

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

24 Outubro 2016 | 21h56

No duelo do segundo pior mandante contra o quarto pior visitante do Campeonato Brasileiro, respectivamente, América-MG e Atlético-PR fizeram nesta segunda-feira, no Independência, um dos jogos mais sonolentos desta edição da competição. No encerramento da 32.ª rodada, as equipes protagonizaram um duelo de baixo nível técnico, mas o time mineiro cresceu no fim e, na base da pressão, arrancou a vitória por 1 a 0, encerrando uma sequência de quatro derrotas seguidas.

O resultado finalmente tirou o América-MG da lanterna do Brasileirão. Com a vitória, chegou a 24 pontos e ultrapassou o Santa Cruz, que tem 23. Já o Atlético-PR chegou à oitava derrota consecutiva como visitante e parou nos 48 pontos, em sétimo. Melhor para o Corinthians, que fechou a rodada no G6. Sábado que vem, os paranaenses recebem o Cruzeiro na Arena da Baixada. Dois dias depois, o América-MG joga novamente no Independência, desta vez contra o São Paulo.

Precisando da vitória, o América-MG tomou a iniciativa da partida e criou os poucos melhores momentos da primeira etapa, principalmente quando acionava o talento do jovem Matheusinho, um dos poucos a tentar algo diferente em campo. Mas o primeiro chute da equipe foi de Ernandes. Aos 10 minutos, o lateral arriscou de fora da área e exigiu boa intervenção de Weverton.

O Atlético-PR tentou responder na mesma moeda e tentou com Léo, aos 16, mas o chute saiu fraco. Aos poucos, o time visitante passou a dominar a posse de bola. Quando chegava ao ataque, no entanto, tinha dificuldade para entrar na defesa adversária. Com isso, assustava somente nas jogadas de bola parada, como aos 28, quando um bate-rebate após escanteio na área do América-MG só não terminou em gol porque André Lima foi travado.

Também sem muita criatividade, os donos da casa apostavam nos contra-ataques e assustaram quando Messias avançou pela esquerda e bateu cruzado, mas Nixon chegou atrasado. Mas foi pela direita que a equipe criou seu primeiro grande momento, já no segundo tempo. Aos oito minutos, Jonas cruzou e Juninho cabeceou rente à trave.

O desempenho sonolento fez Autuori promover duas alterações ao mesmo tempo, levando a campo Nikão e Giovanny nas vagas de Matheus Rossetto e Lucas Fernandes. Mas não deu certo. Se a expectativa era manter a bola no pé do time paranaense, o que se viu foi o oposto e o América-MG passou a comandar amplamente a posse.

Mas o time mineiro não está na lanterna do Brasileirão à toa e mostrou não saber o que fazer com a superioridade no tempo de posse de bola. O confronto, então, ficou preso no campo de defesa do Atlético-PR, com muito toque de lado, mas nenhuma oportunidade criada.

Somente com a entrada de Michael, o América-MG finalmente passou a assustar. O centroavante teve ótima chance aos 34, mas cabeceou para fora. Aos 38, Tony teve a oportunidade e só não marcou porque foi travado pela zaga. Mas na cobrança de escanteio, não teve jeito. Danilo bateu e a sobra ficou com Eder Lima, que finalizou quase da pequena área para selar a vitória.

FICHA TÉCNICA:

AMÉRICA-MG 1 X 0 ATLÉTICO-PR

AMÉRICA-MG - João Ricardo; Jonas, Eder Lima, Messias (Maktom) e Ernandes; Juninho, Leandro Guerreiro, Danilo Barcelos, Tony e Matheusinho (Renato Bruno); Nixon (Michael). Técnico: Enderson Moreira.

ATLÉTICO-PR - Weverton; Léo, Thiago Heleno, Wanderson e Renan Lodi (Nicolas); Otávio, Hernani, Matheus Rossetto (Nikão), Lucho González e Lucas Fernandes (Giovanny); André Lima. Técnico: Paulo Autuori.

GOL - Eder Lima, aos 39 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Luiz Flávio de Oliveira (Fifa/SP).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.