Mourão Panda/América
Mourão Panda/América

América-MG promete ser competitivo em revanche com Palmeiras no Independência

Time mineiro vem de duas vitórias seguidas sob o comando de Adilson Batista e saída do Z-4

Estadão Conteúdo

05 Agosto 2018 | 06h37

Adilson Batista segue em alta. Com duas vitórias em dois jogos, o treinador conseguiu tirar o América-MG da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e afastar a crise que rondava os clubes. Só que os desafios não param. Neste domingo, às 16 horas, o clube recebe o Palmeiras no Independência, pela 17.ª rodada. A promessa é de um time competitivo.

+ América-MG oficializa a chegada do zagueiro Paulão até o fim de 2019

+ Felipão estreia com a motivação de mostrar mudanças no Palmeiras

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"Tudo para nós é pedreira, então não se pode dar moleza. Aproveitamos bem a semana para acertar alguns pontos importantes. Precisamos melhorar na transição e isso só se consegue acertando mais os passes. Além disso, temos que melhorar nas finalizações" aponta Adilson, que ganhou moral após as vitórias sobre o Internacional, por 2 a 1, e diante do Santos, por 1 a 0, na Vila Belmiro, esse um resultado histórico, porque jamais o time mineiro tinha vencido no mítico estádio.

Os 20 pontos deixam o time em posição intermediária na tabela. Mas nada que possa arrefecer o desejo de manter a pegada diante de um adversário qualificado como o Palmeiras. Recentemente, os clubes se enfrentaram duas vezes pelas oitavas de final da Copa do Brasil, com superioridade paulista. O América perdeu em casa por 2 a 1 e empatou em São Paulo por 1 a 1.

Agora pelo Campeonato Brasileiro, os americanos têm a oportunidade de vingar a eliminação e ainda encostar na briga por uma vaga na próxima Copa Libertadores. O principal desfalque é o volante Juninho, que recebeu o terceiro cartão amarelo na vitória sobre o Santos.

Mas no treino de sexta-feira, Leandro Donizete e Wesley formaram o meio campo e Rafael Moura entrou no ataque, dando mais força e experiência ao time. Adilson aproveitou a semana de folga na tabela para também treinar, de forma exaustiva, as jogadas de bola parada, tanto defensiva como ofensiva. "Um lance assim pode decidir o jogo", justificou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.