América surpreende e bate Coritiba

O Coritiba foi derrotado pelo América (MG), por 1 a 0, nesta quinta-feira à noite, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, e teve que escutar as vaias da torcida, os gritos de "timinho" e os insistentes pedidos para a saída do técnico Joel Santana. Com 17 pontos, ficou difícil a classificação do time paranaense para a próxima fase da Copa Sul-Minas, pois precisa vencer os quatro jogos que lhe restam. O América passou para 15 pontos e fica mais distante do rebaixamento. O América surpreendeu o Coritiba desde o início do jogo com sua forma de atuar. Quando todos esperavam que entrasse fechado, buscando apenas os contra-ataques, os jogadores mineiros partiram para cima da defesa coritibana, que passou a mostrar erros de posicionamento e facilitava o trabalho dos jogadores do meio-de-campo e do ataque do América. A partir dos 20 minutos, o Coritiba conseguiu coordenar as ações no meio-de-campo e por alguns minutos parecia que faria valer o conhecimento que tem do campo, mas os erros de passe e a falta de criatividade não deixaram. O goleiro Lailson fez apenas uma defesa e ainda assim numa bola que não levava perigo. A torcida não perdoou e vaiou muito o time no encerramento do primeiro tempo. A conversa no vestiário não mudou o espírito do Coritiba que voltou com a mesma lentidão. O América continuou pressionando a defesa adversária e, aos 6 minutos, Renaldo, livre na área, acertou uma boa cabeçada. O goleiro Wellerson fez a defesa, mas a bola tocou no zagueiro Paulo Roberto e foi para dentro do gol. Como só a vitória interessava, o técnico Joel Santana tirou o volante Roberto Brum para a entrada do atacante Andjel. O Coritiba melhorou o posicionamento no meio-de-campo e passou a forçar mais no ataque, ajudado também pelo América que abdicou de sua pressão inicial, preferindo fechar mais sua defesa e jogar no contra-ataque. Aos 27 minutos, foi a vez de Evair ser substituído e deixar o campo embaixo de uma grande vaia dos torcedores. Cinco minutos depois, o meia Fael, do América, foi expulso. Apesar da supremacia do Coritiba, que permanecia mais tempo com a bola nos pés, o goleiro Lailson não precisou fazer nenhuma defesa mais difícil.

Agencia Estado,

21 Março 2002 | 22h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.