Divulgação
Divulgação

Amistoso desta quarta testa esquema especial de trânsito no Mineirão

Esquema especial inclui fechar ruas no entorno do estádio, que receberá Brasil e Chile

ALMIR LEITE, enviado especial, Agência Estado

24 de abril de 2013 | 13h17

BELO HORIZONTE - O Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2104 vai aproveitar o amistoso da noite desta quarta-feira entre Brasil e Chile, no Mineirão, para testar 14 itens relativos à operação no estádio, mas um dos principais problemas que têm sido verificados nos jogos no local não está incluído: o acesso do público. Essa tarefa ficará a cargo da prefeitura de Belo Horizonte e também do governo estadual, que montaram um esquema especial de trânsito.

Esta noite, várias ruas no entorno da arena serão fechadas ao trânsito normal e somente veículos credenciados terão acesso. O mesmo vai ocorrer com as 1.500 vagas de estacionamento do Mineirão - o torcedor pagou R$ 50 por uma vaga e recebeu uma espécie de credencial para poder passar pelos pontos de bloqueio e usar o local. Até mesmo os moradores da região enfrentarão o esquema especial: não poderão deixar os carros nas ruas e terão acesso controlado.

Para Tiago Lacerda, o secretário especial da Copa em Minas, os problemas ocorridos em alguns jogos já realizados no Mineirão - os mais graves foram verificados na reinauguração, no clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro em fevereiro, quando, além da dificuldade para chegar ao estádio, os torcedores enfrentaram falta de comida e água - são resultados da adaptação ao novo status da arena e estão sendo resolvidos.

"É um novo equipamento, de proporções relevantes. É preciso ter um pouco de calma, pois os torcedores precisam se acostumar à nova forma de acesso", disse Tiago Lacerda. Ele lembrou que no amistoso desta quarta-feira a organização do jogo é de responsabilidade da CBF e do COL. "É o primeiro evento-teste e o foco principal é a Copa de 2014."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.