Saeed Khan|AFP
Saeed Khan|AFP

Amistoso marca a estreia de Sampaoli como técnico da Argentina

Missão do treinador, ex-Chile e Sevilla, é recuperar a seleção; foco é diminuir a dependência de Messi

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 07h00

A Argentina entra numa nova era. A partida contra o Brasil marca o início da trajetória de Jorge Sampaoli no comando da seleção. Aos 57 anos, e depois dos fracassos de seus antecessores mais recentes, ele assume com a missão, quase uma obrigação, de tirar a equipe da incômoda quinta posição nas Eliminatórias Sul-Americanas à Copa da Rússia (hoje disputaria a repescagem) e levá-la à classificação direta ao Mundial de 18.

Para isso, Sampaoli promete resgatar pontos da essência do futebol argentino, como a ofensividade e o “jogo bem jogado”. Quer ainda montar um time competitivo, mais equilibrado e que não dependa tanto de sua estrela maior, Lionel Messi.

Sampaoli tem contrato até a Copa de 2022 (no Catar) e, apesar de saber que só chegará até lá se mostrar resultados, prefere dizer que seu trabalho não se resume a um bom desempenho no Mundial da Rússia. “Não aceitei o desafio de comandar a Argentina apenas na Copa de 2018. Meu vínculo vai até 2022 e vamos iniciar um projeto ambicioso dentro da seleção para alcançar os objetivos”, avisou.

Para isso, uma de suas metas é renovar o elenco. Por enquanto, neste início de trabalho, de maneira amena e gradativa. Seus objetivos são bastante claros: classificar a Argentina para a Copa é o primeiro deles.

FORMAÇÃO

Em sua estreia, Sampaoli vai montar a equipe com três zagueiros, quatro jogadores de meio e três mais avançado. Uma provável formação seria com Romero, Mercado, Otamendi e Fazio; Salvio, Biglia, Banega e Di María; Messi, Dibala e Higuaín.

Sampaoli espera que a Argentina seja competitiva já diante do Brasil, apesar do caráter amistoso do encontro. “Nós queremos que o melhor jogador do mundo se sinta feliz com a camisa da Argentina. Precisamos montar um time equilibrado e que trabalhe em conjunto. Não podemos colocar as derrotas e vitórias na conta de uma única pessoa.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.