Amistosos ?engordam? a conta da CBF

A Seleção Brasileira tem na terça-feira mais um compromisso antes de se desfazer na Europa. Após o jogo deste domingo com o Chile, em Brasília, o time do técnico Carlos Alberto Parreira segue em vôo fretado direto para Madri e de lá embarca para Sevilha, onde enfrenta o time local em festa de comemoração de seu centenário. A TV Cultura irá mostrar o jogo ao vivo a partir das 17 horas.O confronto não vale nada para o time brasileiro, a não ser rechear a conta corrente da CBF, que receberá aproximadamente US$ 600 mil por sua participação. Parreira deverá formar um mistão e mesmo assim fazer com que todos os seus convocados entrem em campo. Só Ronaldo não deve jogar. Ele fará uma avaliação física nesta segunda e poderá ser poupado para voltar inteiro ao Real Madrid. Já joga no próximo domingo.A CBF corre agora contra o tempo para tentar fazer com que a Seleção volte a campo em novembro, quando se despede do calendário 2005. Ricardo Teixeira mandou avisar ainda que todos os atletas deverão estar à disposição do técnico para os dois próximos jogos das Eliminatórias, dias 9 e 12 de outubro, contra Bolívia, em La Paz, e Venezuela, em Belém. Parreira não quer abrir mão de suas estrelas. "Teremos poucas datas antes da Copa para nos reunirmos. Acho que só teremos um dia em 2006 permitido pela Fifa. Temos então interesse em reunir o grupo." Em nenhum momento, porém, ele garantiu que irá chamar os medalhões. Hoje, todos se colocam à disposição.A CBF tem duas propostas para amistosos internacionais. Um deles é nos Emirados Árabes, já confirmado. O outro é contra o Chelsea, da Inglaterra. "Este ainda não está decidido", informa a CBF. Mas deve também acontecer.A CBF também não divulga quanto irá receber de cota por cada uma dessas partidas. O Chelsea estaria disposto a pagar US$ 2 milhões para ter o Brasil em seu estádio. Depois da Copa do Mundo de 2002, a CBF estipulou um preço para a Seleção, que varia de US$ 600 mil e US$ 1 milhão por jogo, com todos as despesas pagas pelo anfitrião. Esse dinheiro chega limpo aos cofres da entidade no Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.