Amoroso quer ficar no São Paulo

?Espero ficar aqui no São Paulo por muito tempo. Se desse, ficaria até o fim da minha carreira?. A afirmação de Amoroso é atualmente o maior desejo da torcida são-paulina. Não poderia ser diferente. Afinal, o atacante chegou em uma reta final de Libertadores, foi importante na conquista do tri e, agora, no Campeonato Brasileiro, está fazendo estrago nas defesas adversárias ? nove gols nos últimos oito jogos.O futuro do jogador, no entanto, é incerto. Nem ele sabe o que responder quando perguntam se isso realmente pode acontecer. Sem jeito, escolhendo as palavras para não ser mal interpretado, lembra da sua situação. ?Meu contrato com o São Paulo vai até dia 31 de dezembro. E, agora, só estou focado na disputa do Campeonato Brasileiro. Só vou conversar sobre isso depois do Mundial. Em meu contrato não existe nenhuma opção de prioridade ao São Paulo, mas como sou homem de palavra, eu vou procurar o clube primeiro para tratar do assunto?, explicou Amoroso.Em dois meses de São Paulo, o jogador passou de questionável a indispensável. Depois de tanto tempo no exterior e cirurgias no joelho, muita gente não acreditava que Amoroso iria vingar na volta ao Brasil. Tanto que fez um contrato de apenas seis meses com o São Paulo. Agora, ele não se surpreende com a preocupação da diretoria em segurá-lo por mais tempo.?Se surpreendi algumas pessoas eu não sei. Tinha certeza de que o primeiro clube que me contratasse iria desfrutar do meu melhor futebol?, garantiu Amoroso, sem um pingo de modéstia. ?Eu sempre estive bem preparado, mas não tinha oportunidade. Foi o que aconteceu no Málaga. O treinador queria jogar com cinco cabeças-de-área e ficava difícil para me adaptar.?Amoroso voltou a treinar nesta quinta-feira, depois de passar alguns dias em Málaga, na Espanha. Deveria ter retornado na quarta, mas o atraso de cinco horas no vôo de Madri a São Paulo atrapalhou tudo o que havia planejado com a diretoria e o técnico Paulo Autuori. Acompanhado da esposa, ele foi tratar da mudança, que não teve tempo de realizar antes por causa do apertado calendário do São Paulo, que disputava duas competições ao mesmo tempo até quinze dias atrás.O fato de trazer para Campinas tudo o que juntou depois de alguns anos na Alemanha e na Itália não significa que o atacante já pensa em ficar definitivamente no País. ?Com a minha idade (31 anos), a tendência é de que apareçam propostas do futebol asiático. E não descarto o futebol europeu. Na Inglaterra tem jogadores de 35, 36 até 39 anos que estão em atividade?, lembrou Amoroso.E não será por uma proposta qualquer que o atacante vai trocar o São Paulo por um clube só por ele ser do exterior. Aos 31 anos, realizado profissionalmente, ele já pode abrir mão de ?caminhões? de dinheiro para ficar perto da família e dos amigos. ?Eu jogo por prazer, por alegria. Não por dinheiro.?Por enquanto, Amoroso nem fala da possibilidade de pendurar as chuteiras. Acredita que ainda tem condições de jogar ?pelo menos, mais seis anos?. ?Continuo até o dia em que acompanhar o ritmo dos mais novos. Quando eu começar a ser atropelado é que chegou a hora de parar. Mas pelo meu biotipo, acredito que vou jogar bastante tempo. O Valdo foi até os 40?, comparou.Antes, ele tem o Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão. ?Estamos pensando no Brasileiro, mas sem dúvida será importante para ganharmos moral e confiança para o Mundial. Nesses dias lá na Espanha eu tive a chance de acompanhar o jogo do Liverpool contra o Betis (pela Liga dos Campeões). É um grande time?, assegurou Amoroso.E o próximo compromisso pelo Brasileirão é contra o Vasco, domingo à tarde, no Morumbi. Amoroso volta ao time depois de cumprir suspensão automática contra o Coritiba. Uma oportunidade de encontrar um velho companheiro: Romário. ?Eu tive o prazer de jogar com ele no Flamengo, em 96. Fomos campeões cariocas invictos naquele ano. Domingo seremos rivais, mas só dentro de campo?, avisou.Até por respeito ao amigo, Amoroso evitou soltar alguma ?provocação? ao adversário, como a que fez sobre o ?quadrado mágico? do Corinthians, antes do clássico da semana passada. ?Nem preciso falar da qualidade do ataque do Vasco. E menos ainda do Romário. Mesmo com a idade que ele tem, não dá para dar bobeira. É um jogador que marcou época no futebol brasileiro e existem poucos como ele no mundo?, elogiou o ídolo são-paulino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.