Ana Paula de Oliveira volta a ser escalada pela FPF

Bandeirinha fará parte do trio de arbitragem do jogo São José e Taquaritinga, pela Série A-2

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2008 | 17h52

Foram longos 245 dias de angústia, espera e apreensão. Período no qual leu e ouviu estar acabada para a arbitragem. E que também acumulou algumas frustrações, como nas reprovações de testes para a FPF, no início do ano e, principalmente, quando estava prestes a entrar para o quadro da Fifa, em julho de 2007. Em ambos a má condição física pesou. Neste sábado, às 16 horas, em São José dos Campos, Ana Paula Oliveira volta a trabalhar em um jogo oficial."Estou muito feliz, muito mesmo, você não imagino o quando. Para mim vai ser como trabalhar em uma final de campeonato", afirma, entusiasmada, a bela auxiliar, de 29 anos, 1,73 metros e 62 quilos, sem se importar que o duelo será da Série A-2 do Campeonato Paulista, envolvendo São José, 11.º e Taquaritinga, o 10.º, ambos com seis pontos. "Já apitei série A, B, C, A-2, A-3, na várzea. Para mim, o importante é retornar."Ana Paula, considerada uma das melhores auxiliares do País nos últimos anos, estava afastada desde 24 de maio, um dia após anular dois gols do Botafogo frente o Figueirense, no Maracanã. Os cariocas venceram por 3 a 1, mas acabaram eliminados nas semifinais da Copa do Brasil. E ela foi parar na geladeira. Em 2007, ela já havia levado santistas, dentre eles o técnico Vanderlei Luxemburgo, à loucura ao marcar um impedimento de Jonas no clássico frente o São Paulo. O jogo acabou 1 a 1.Sem trabalho no campo, Ana Paula chegou a apitar um duelo de várzea em Hortolândia, entre Brejeiro e Cleto Automóveis. Ainda posou nua, participou de eventos, deu palestras, estudou o quarto ano de jornalismo e tratou das fraturas por estresse nas tíbias. "A gente se engana, pensa que o tratamento é suficiente e logo acha que está bom", reconhece. "Me preocupei em recuperar a lesão e também em voltar bem na parte física, que logo estará 100%", esclarece, sem temer por esse retorno, confirmado após uma ligação para a sede da FPF. "Meus assessores olhavam todos os sorteios dos árbitros no site da FPF. E finalmente o dia chegou", comemora. "Com certeza vou trabalhar bastante, isso significa muito para mim. Parece brincadeira, mas a saudade era enorme."Desde seu afastamento, Ana Paula foi apenas três vezes a estádios: Vila Belmiro, Maracanã e um no interior. Porém, não deixou o futebol de lado. Ficava na frente da tevê se colocando no lugar dos companheiros de profissão. "Me imaginava naquela posição, treinando muito a questão mental, a postura da bandeira", explica. "Estou bem concentrada e amanhã eu e meus companheiros faremos uma excelente arbitragem", crê. "No jogo festivo do Zico (no fim do ano), tive o prazer de trabalhar e acertei os oito impedimentos que marquei."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.