Anderson, a nova promessa do Grêmio

Ele tem apenas 16 anos, jogou somente cinco partidas no time profissional, já ameaçou se emancipar para não ficar sob o controle da mãe e fez o Grêmio montar uma operação de guerra para mantê-lo no Olímpico. Prematuro na bola e na polêmica, Anderson é a nova promessa do clube gaúcho.Anderson aplica drible desconcertantes, faz lançamentos milimétricos e conclui com precisão, inclusive cobrando faltas. Só precisa melhorar na marcação, avisa o técnico Hugo De León. E confirmar que seu sucesso não é fogo de palha.Chamado pelo treinador do Grêmio para uma emergência - substituir o contundido Cássio contra o Bahia, pela Copa do Brasil, no dia 2 de março -, Anderson comandou o time e foi o maior responsável pela vitória, por 1 a 0, garantindo a classificação para a segunda fase. Não saiu mais do time e deu show contra o Brasil de Pelotas - vitória por 3 a 1, com dois gols dele - e contra o Vila Nova - empate por 1 a 1. Mas ficou devendo contra o Caxias, no último domingo - derrota por 3 a 0. Nesta segunda-feira, Anderson embarcou para o Rio de Janeiro, onde se juntou à seleção brasileira Sub-17 - vai disputar o Sul-Americano da categoria, na Venezuela.Precoce - Bastou a boa atuação contra o Bahia, no dia 2 de março, para Anderson virar o centro das atenções no Grêmio. Com o assédio dos empresários, a diretoria do clube gaúcho correu para segurar o garoto e evitar perdê-lo como já tinha acontecido com Ronaldinho Gaúcho.Assim, o Grêmio aumentou o salário de Anderson, de R$ 800 para R$ 40 mil mensais, e ele assinou contrato até julho de 2008.Apesar dos 16 anos de idade, Anderson deixou a casa da mãe (Doralice Oliveira) em outubro do ano passado e, desde então, mora num hotel em Porto Alegre. Ele foi descoberto nessa mesma época, pelo técnico Cuca.Em outubro de 2004, na reta final do Campeonato Brasileiro, Cuca, então no Grêmio ameaçado pelo rebaixamento, resolveu lançar Anderson num clássico com o Inter. O time perdeu para o rival, por 3 a 1, mas ele fez seu gol, de falta.Fã de Ronaldinho Gaúcho, Anderson garante que agora está em paz com sua mãe. Enquanto ainda não tem idade para comprar um carro, vai de táxi para os treinos. Mas já anda com dois telefones celulares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.