André Luis dá amarelo para árbitro e Botafogo é eliminado

Zagueiro perde a cabeça no empate diante do Estudiantes por 2 a 2 pelas quartas da Copa Sul-Americana

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2008 | 00h12

O ano para o Botafogo terminou nesta quarta-feira. Na última oportunidade de conquistar um título em 2009, o clube da estrela solitária fracassou: foi eliminado da Copa Sul-Americana. Precisava vencer por três gols de diferença para chegar às semifinais, mas não conseguiu. Empatou por 2 a 2 com o Estudiantes (da Argentina), no Engenhão, e deu adeus à competição. Agora, só vai cumprir tabela no Campeonato Brasileiro, no qual nem briga por vaga na Taça Libertadores - e o clube ainda viu o zagueiro André Luis dar vexame ao mostrar um cartão amarelo para o próprio árbitro. Veja também: Resultados e calendário da Copa Sul-Americana  Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Com comentários de Luxemburgo na TV, Palmeiras é eliminado Bate-Pronto: Luxa comenta Luxa e André Luis dá vexame O Botafogo deve sofrer um verdadeiro desmanche para a próxima temporada. O meia Lúcio Flávio admitiu sondagem do Santos e não descartou deixar a equipe de General Severiano. O apoiador Carlos Alberto também pode ir embora, a exemplo do esforçado volante Diguinho e do atacante Jorge Henrique. Este tem proposta do Corinthians. O clima no Botafogo é de fim de festa. O time alvinegro lamenta bastante o vacilo em Buenos Aires. Foi derrotado na partida de ida por 2 a 0, num jogo em que atuou 45 minutos com um jogador a mais. E voltou a falhar incrivelmente nesta quarta. Não aprendeu a lição.  Quer uma prova? O primeiro ataque do Estudiantes resultou em gol do lateral-direito Angeleri, com apenas 3 minutos de bola rolando. Era tudo que o time argentino sonhava. Mais uma vez, o jovem goleiro Renan errou feio. Aceitou um chute totalmente defensável.   Botafogo2Renan; Thiaguinho     (Lucas Silva), Renato Silva, André Luis     e Triguinho     (Leandro Almeida); Diguinho, Leandro Guerreiro, Lúcio Flávio e Carlos Alberto; Jorge Henrique     e Wellington Paulista (Fábio)Técnico: Ney Franco Estudiantes2Andújar; Angeleri, Desábato, Cellay     e Diaz    ; Galván (Sanchez), Braña, Verón     (Moreno) e Benitez; Salgueiro     (Calderón    ) e BoselliTécnico: Leonardo AstradaGols: Angeleri, aos 3; e Salgueiro, aos 33 minutos do primeiro tempo. Lúcio Flávio, aos 13; e André Luis, aos 23 minutos do segundo tempoÁrbitro: Carlos Chandía (CHI)Estádio: Engenhão, no RioO Botafogo, então, teria que vencer por 4 a 1 para se classificar. Bateu o desespero, o que facilitou a vida do Estudiantes. Antes do intervalo, a equipe visitante fez mais um gol, desta vez com o atacante Salgueiro, e liquidou o rival.  A torcida alvinegra, irritada com a apagada atuação do Botafogo, passou a vaiar os atletas. "Parece que estamos com medo de jogar, com medo da pressão da torcida", criticou o atacante Jorge Henrique, no fim do primeiro tempo. O Botafogo acordou tarde demais. Diminuiu o placar com Lúcio Flávio, em cobrança de pênalti, e empatou com o zagueiro André Luis. Porém, tinha que fazer mais três gols para avançar na competição. Não agüentou a pressão e perdeu a cabeça. O zagueiro André Luis protagonizou um lance inusitado e lamentável: tomou o cartão amarelo das mãos do árbitro Carlos Chandía, quando este foi puni-lo, e recebeu o vermelho em seguida. Saiu de campo esbravejando, inconformado com sua expulsão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.