Divulgação - 2011
Divulgação - 2011

André Santos admite excesso de velocidade, mas nega fuga de blitz

Jogador foi acusado de dirigir perigosamente com o seu carro pelas ruas de Londres

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2012 | 13h17

LONDRES - O lateral-esquerdo André Santos divulgou uma nota oficial nesta quarta-feira para explicar a sua participação no episódio no qual foi acusado de dirigir perigosamente com o seu carro pelas ruas de Londres. O jogador admitiu que excedeu o limite de velocidade da rodovia na qual trafegava, enquanto se dirigia ao treino do Arsenal na última sexta, mas desmentiu que tenha se negado a parar na blitz policial que o obrigou a frear o seu percurso.

Depois do ocorrido, a polícia britânica confirmou nesta quarta que o jogador chegou a ser detido e acabou sendo liberado após pagar fiança. Nesta quarta, o tabloide inglês The Sun noticiou que o atleta tentou driblar a blitz para poder chegar a tempo ao treinamento do Arsenal e ainda chegou a ser perseguido pelos policiais, versão que foi negada pelo atleta. "Realmente eu passei um pouco do limite de velocidade, mas não foi o que o jornal The Sun divulgou. E realmente aconteceu isso. Ponto final", disse o ex-jogador de Corinthians e Flamengo, no final da nota oficial distribuída por sua assessoria nesta quarta, cujo título destaca que o diário local "exagerou".

"Eu estava indo para o meu trabalho, treinar. Eram por volta de 8h30 e 9h da manhã. Eu estava conduzindo numa autopista. E realmente eu ultrapassei um pouco o limite de velocidade pelo fato de estar um pouco atrasado para o treino. Assim que eu vi a polícia eu parei o meu carro. Eles me pediram toda a documentação. Eu respeitando eles, pois sabia que estavam fazendo o trabalho deles, e assim entreguei os documentos que eu tinha: meu passaporte e minha habilitação. Até porque na Inglaterra eu tenho direito de conduzir com a minha habilitação durante um ano. E ainda não fez um ano que eu estou na aqui Inglaterra. Eles conversaram comigo", explicou André Santos, no início de seu comunicado.

Em seguida, o lateral brasileiro admitiu que o episódio o fez perder o treino da última sexta-feira, sendo que no próximo mês ele poderá responder pelo crime de direção perigosa, cuja pena em caso de condenação pode chegar a até dois anos de prisão.

"(Os policiais) Falaram que eu tinha passado um pouco do limite de velocidade. E acabou que eu perdi o treino. Assim que eu cheguei ao treino expliquei tudo ao Arsenal. O Arsenal se colocou totalmente à disposição do caso. E em setembro, na metade do mês eu tenho que me apresentar (à polícia). Para que eu possa representar todos os meus documentos: passaporte, visto e a minha habilitação. E também a minha habilitação nova da Inglaterra. Mostrando que eu também posso conduzir aqui na Inglaterra", continuou André Santos.

O lateral acabou sendo parado pela polícia quando já estava próximo ao centro de treinamento do Arsenal. Na ocasião, pilotava sua Maserati em alta velocidade. Como não apresentava sinais de embriaguez, não foi submetido ao teste do bafômetro e depois precisou pagar uma fiança, de valor não revelado, para ser liberado pelos policiais.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolArsenalAndré Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.