Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Andrés Sanchez diz que Corinthians vai usar dinheiro das vendas de atletas para pagar dívidas

Saídas de Balbuena, Maycon e Sidcley ajudaram o clube a minimizar a situação ruim financeira

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2018 | 13h48

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, deixou claro qual será a prioridade quanto tiver em mãos o dinheiro referente a venda do volante Maycon, do zagueiro Balbuena e do lateral-esquerdo Sidcley: pagar dívidas. Juntos, eles farão o clube arrecadar cerca de R$ 42 milhões. 

+ Matheus Matias celebra primeiro gol pelo Corinthians: 'Emoção muito grande'

+ Com atuação decisiva dos reservas, Corinthians vira sobre o Grêmio em amistoso

+ Balbuena, Sidcley e Kazim estão de saída e não devem mais jogar pelo Corinthians

O dirigente, porém, não descartou a possibilidade de contratar reforços, mas explicou que a situação financeira do clube ainda é delicada. "Nos últimos dez anos estamos ganhando tudo. E quando entra um presidente novo ele tem três anos de mandato e quer ser campeão. Ele exagera no futebol para ser campeão. Estamos com um déficit, todo mundo sabe, pois o futebol vinha gastando muito nos últimos anos e tivemos que cortar isso, senão não vai parar a sangria nunca. É uma missão minha. Essa é a realidade", disse o dirigente.

O presidente corintiano assegurou ainda que está de olho no mercado, mas não tem nenhuma negociação em aberto no momento. Por enquanto, o Corinthians contratou o lateral-esquerdo Danilo Avelar e o atacante Jonathas. Andrés explicou como foram as negociações para as saídas de Sidcley e Balbuena. 

"O Sidcley estava em contrato que, se tivesse proposta no meio do ano, tinha que liberar ou fazer opção de compra. Como a proposta era de 4 milhões de euros, não tinha como. E o Balbuena é isso aí, um ano e meio enrolando para renovar, e só renovou colocando a multa baixa. Futebol é isso, a lei permite. Não tem o que fazer" protestou, deixando claro seu descontentamento com a postura dos representantes do jogador paraguaio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.