Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Andrés pede jogador 'baladeiro' e 'bandido do bem' no Corinthians

Ex-presidente traça 'perfil' para contratações e lembra de time campeão de 2009 com Ronaldo Fenômeno

Estadão Conteúdo

20 Outubro 2016 | 22h14

Jogador "baladeiro" e "bandido do bem". O ex-presidente do Corinthians e deputado federal, Andrés Sanchez, traçou um perfil do que ele considera ideal para a equipe em 2017. Em entrevista à Rádio Bradesco Esportes, Andrés deu declarações polêmicas sobre jogadores de futebol. "(Jogador baladeiro) São os que eu gosto. Desde que ele treine e jogue bem, não sou babá de ninguém. Time de futebol, principalmente o Corinthians, tem que ter uns bandidos, senão não vai", afirmou ele.

Andrés lembrou da passagem de Ronaldo Fenômeno pelo clube, disse que chegou a ir com o jogador para baladas e que não vê problema nenhum nisso. O dirigente citou como exemplo de "bandido do bem" Emerson Sheik, hoje no Flamengo.

"Corinthians tem que ter meia dúzia, 10 bandidos do bem. O maior bandido que eu conheci foi Emerson Sheik, mas bandido do bem. Ele chegava e falava que no dia seguinte não ia jogar. Se fosse campeão, dizia pra não contar com ele por dois meses. Vou falar o que? Foi campeão. Mas tem jogador que fica com a cabeça abaixada, quieto, é o que mais tem".

Na entrevista, Andrés fez uma revelação. O meia Rodriguinho, titular do time atual, chegou de ressaca antes do treino. "O André (ex-atacante do time) eu nunca soube de ter chegado bêbado. O Rodriguinho chegou algumas vezes de ressaca. Isso é normal. Quer time mais baladeiro que o de 2009, quando fomos campeões invictos do Paulistão e ganhamos a Copa do Brasil? Elias, Jorge Henrique, Cristian, Souza, Ronaldo."

Entre os reforços para 2017, o Corinthians acertou a contratação de Jô, famoso pelo seu apreço pela noite. Outro jogador na mira é o meia Diego Souza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.