Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Andrés promete Corinthians forte em 2020: 'Tiago Nunes pediu mais de 17 nomes'

Presidente do clube demonstra insatisfação com a oitava colocação no Campeonato Brasileiro

Dani Arruda, especial para a AE, Estadão Conteúdo

09 de dezembro de 2019 | 04h30

O presidente do Corinthians Andrés Sanchez prometeu neste domingo que o clube estará mais forte e competitivo para a temporada de 2020. O dirigente revelou que o novo treinador, Tiago Nunes, indicou para a diretoria a contratação de 17 jogadores para o próximo ano. Isso sinaliza que muitos jogadores deverão deixar o clube. Segundo Andrés, os nomes estão sendo analisados e as contratações serão viabilizadas sem desestabilizar as finanças do clube. A intenção da diretoria é manter os nomes sob sigilo para evitar situações que dificultem o acerto.

"Vamos tentar o máximo possível de grandes jogadores. São várias posições que nos interessam. Mas não temos de falar nada porque só vai virar especulação. São vários nomes. O Tiago Nunes passou mais de 17 jogadores na lista de reforços. Tem o número um, dois, três, o que dá, o que não dá para fazer. Não vou falar porque dá muita especulação, mas vamos fazer o melhor possível", prometeu.

Andrés demonstrou incômodo com a oitava posição do Corinthians no Campeonato Brasileiro e disse que o time precisa entrar em todas as competições lutando pelo título. Com a derrota diante da sua torcida para o Fluminense e a vitória do Internacional sobre o Atlético-MG, a equipe, além de perder uma posição na tabela final de classificação, deixará de embolsar R$ 1,7 milhão em premiação da CBF. O sétimo colocado recebe R$ 23,1 milhões, contra R$ 21,4 milhões do oitavo.

"O Corinthians tem de brigar para ser o primeiro, segundo, sempre. Com toda a modéstia, mas sétimo ou oitavo é a mesma coisa. É lógico que o dinheiro pode ser um pouquinho a mais, a menos, mas para o Corinthians chegar em sétimo, quinto, ou terceiro, é a mesma coisa que em décimo. Quando o Corinthians não é o primeiro, todo mundo fala que foi trabalhado mal", disparou.

"Disputamos a Sul-Americana, Paulista, Brasileiro e Copa do Brasil. Todos sabem que não fomos muito bem este ano, foram muitos jogadores novos e isso com certeza atrapalhou um pouco. Agora é esperar que seja melhor no próximo", completou o dirigente corintiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.