Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Andrés promete resolver dívida da Arena Corinthians: 'Teremos boas novidades'

Caixa Econômica Federal cobra R$ 536 milhões do clube por financiamento do estádio inaugurado em 2014

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2020 | 17h02

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, prometeu resolver a dívida da Arena em Itaquera. Ele, inclusive, disse que terá "boas novidades" nas próximas semanas. O clube tem duas pendências para resolver em relação ao estádio: a oficialização do acordo com a construtora Odebrecht e a dívida com a Caixa Econômica Federal.

O banco estatal cobra, ao todo, R$ 536 milhões do Corinthians pelo financiamento do estádio inaugurado em 2014. A proposta do clube é pagar R$ 6 milhões em meses com jogos e R$ 2,5 milhões em meses sem partidas. Após a Caixa chegar a acionar o Corinthians na Justiça, o processo está suspenso enquanto as partes conversam para concluir o acordo. Em relação à Odebrecht, a tendência é que o pagamento da dívida seja abatida com repasse dos CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) à construtora e com valores das obras não realizadas.

"Com certeza, vamos resolver o problema da Arena até novembro. Não tive reunião com a Caixa ainda. Só jurídico e financeiro. Estou esperando oficializar o acordo com a Odebrecht da última parte que falta. Aí sim vamos na Caixa resolver. Voltei para resolver isso e será resolvido. Apesar de alguns estarem prejudicando. Nas próximas semanas vamos ter boas novidades", afirmou Andrés, em entrevista coletiva virtual nesta sexta-feira.

Andrés também admitiu que gastou mais do que deveria nesta sua volta ao clube. Após ser eleito em fevereiro de 2018, ele tem mandato até novembro deste ano. A situação financeira ainda foi afetada pela pandemia do novo coronavírus.

"O problema é a falta de fluxo de caixa. Adiantaram cotas de televisão e tudo isso tem que começar a pagar. Não adiantei nada de ninguém, só do patrocínio do BMG deste ano. A dívida é problema, déficit é problema, mas não é que o Corinthians vai fechar amanhã ou está falido. Não vai ser o time do mais rico do mundo. Antes era o Palmeiras, agora é o Flamengo e amanhã sei lá quem vai ser. O déficit não foi ideal, gastei mais do que deveria. Estamos com dificuldade de pagar conta pelo fluxo de caixa", disse Andrés.

Em quase três anos de mandato, Andrés contratou 35 jogadores. Ele disse não ter arrependimento em relação aos reforços, mesmo os que não deram certo, e afirmou acreditar na melhora da equipe.

"Contratação, seja cara ou barata, a boa é a que dá certo. Alguns levam tempo para se adaptar ao clube e desenvolver. Acreditamos em todos os que estão aqui. Os que não acreditávamos, não estão mais. Darão bons resultados esse ano e excelentes resultados no ano que vem. Até pelo amadurecimento do grupo. Não me arrependo de nada. Gastamos um pouco mais do que devíamos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.