Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Andrés promete usar todo o valor do naming rights para pagar dívida com a Caixa

Agora rebatizada de Neo Química Arena, estádio do Corinthians terá setores nomeados de acordo com produtos do laboratório

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2020 | 12h45

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, deu mais detalhes nesta terça-feira sobre como vai funcionar todo o novo funcionamento do estádio do clube, agora renomeado Neo Química Arena depois da negociação fechada pelo naming rights. Todos os R$ 300 milhões que forem recebidos ao longo dos 20 anos de contrato serão direcionados ao pagamento da dívida com a Caixa. Em breve, a arena terá até mudanças nos nomes dos setores, que deixarão de ser chamados como Oeste e Norte, por exemplo, para serem batizados com remédios e produtos do laboratório Neo Química.

O dirigente corintiano confirmou o valor do contrato e detalhou que anualmente o clube receberá R$ 15 milhões referentes à cessão do nome do estádio. Todo esse recurso será destinado exclusivamente ao pagamento do financiamento feito com a Caixa para construir a arena. "Com a Caixa, devemos uns R$ 530 milhões a R$ 550 milhões. Com esses R$ 300 milhões (do naming rights), vai 100% para abater a divida com a Caixa. Temos discussão com a Caixa para ver o que os dois entendem. Vamos abater a dívida com a Caixa. Chegaremos a uma conclusão", disse Sanchez.

O presidente do Corinthians contou que ainda na segunda-feira já enviou uma cópia do contrato do naming rights para a Caixa analisar. O clube e o banco divergem qual é o valor exato da dívida. O plano corintiano é pagar o financimento em três parcelas anuais de R$ 5 milhões. "Há uma discussão de valores, mas agora que há o naming rights vamos sentar e conseguir negociar para que o fluxo seja condizente com o financiamento da arena", explicou o diretor jurídico do clube, Fabio Trubilhano.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Com esses R$ 300 milhões (do naming rights), vai 100% para abater a divida com a Caixa
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Andrés Sanchez, Presidente do Corinthians

O Corinthians admite que pela construção da arena, contraiu três dívidas. A pendência com a construtora Odebrecht foi paga e resta agora a parte relativa à Caixa, assim como acertar com uma empresa que era filiada à construtora. Sobre esta última, o clube disse aguardar um processo de recuperação judicial para concluir as negociações.

Embora no início das obras do estádio o Corinthians insistisse que só negociaria os naming rights por R$ 400 milhões, o presidente admite que foi necessário fazer uma mudança nos planos, realizada com a ajuda de uma consultoria. "Realmente na época da construção da arena falei em R$ 400 milhões porque era a dívida da Caixa. Pegamos a Ibope Repucom, fizemos uma pesquisa e vimos as propriedades da arena. Eles fizeram um estudo de mercado", contou. Andrés não comentou sobre as polêmicas da transmissão ao vivo feita na segunda-feira para anunciar o novo nome. No evento, ele fez uma piada com relação a estupro e houve uma piada em tom homofóbico sobre o São Paulo.

O clube pretende agora mudar nos próximos dias a identidade visual do estádio, ao espalhar pelo local os nomes da Neo Química com adesivos e banners. Isso vai incluir até mesmo uma mudança nos nomes do setores da arena, atualmente identificados pelos pontos cardeais. A partir de agora, esses locais serão batizados de acordo com remédios e produtos feitos pelo laboratório.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
A gente negociou o nome e o grande diferencial com eles é que vão nomear setores com outras marcas da companhia. Temos um naming rights por setor. Não será mais Setor Norte, Sul, será o Gelol, Benegrip, depende da companhia
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Caio Campos, Superintendente de marketing do Corinthians

"A gente negociou o nome e o grande diferencial com eles é que vão nomear setores com outras marcas da companhia. Temos um naming rights por setor. Não será mais Setor Norte, Sul, será o Gelol, Benegrip, depende da companhia", disse o superintendente de marketing, Caio Campos. Dentro do estádio haverá inclusive uma farmácia voltada ao atendimento da população local e com ênfase em projetos sociais.

A princípio a Neo Química não investirá dinheiro no time. Mas a relação com o Corinthians vai impactar na rotina do estádio de outra forma. O clube deve receber mais eventos, inclusive shows, algo que era recusado nos últimos anos. "A prioridade total são os jogos, não existe possibilidade de perder jogo por causa de show, mas existe a possibilidade de aumentar o faturamento. Então isso nos ajudará a ter mais receita", afirmou o superintendente de marketing.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.