Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Andrés rebate insinuações do presidente do Santos sobre complô do Corinthians

Diretor de seleções da CBF se disse decepcionado com Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro

Almir Leite, Agência Estado

15 de junho de 2012 | 13h35

SÃO PAULO - O diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, respondeu com dureza e ironia as insinuações do presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, de que há um complô corintiano contra o time que dirige, com a participação da CBF e do técnico da seleção brasileira, Mano Menezes. Luis Alvaro disse que Mano só convoca jogadores santistas, deixando-os esgotados fisicamente, e preserva os do Corinthians.

"Ele foi o único presidente de clube que pediu a convocação de um jogador. Pediu a convocação do Arouca. Então, deve ser ele o chefe do complô", ironizou Andrés nesta sexta-feira, durante visita ao Itaquerão, em companhia do presidente da CBF, José Maria Marin, e do presidente do Corinthians, Mário Gobbi.

Ex-presidente do Corinthians, Andrés também se disse triste e decepcionado com o mandatário santista, mesmo levando em consideração que ele possa ter dado as declarações de cabeça quente, no calor da derrota. "Ele me conhece e ao Marin e sabe que isso não existe. Eu já fui presidente de clube e sei dos problemas, mas é preciso pensar um pouco antes de falar. Do jeito que ele fala, é discurso de quem já está derrotado. Ainda não terminou", afirmou o diretor da CBF, referindo-se ao jogo de volta entre Corinthians e Santos, quarta-feira, no Pacaembu, pela semifinal da Libertadores.

O diretor da CBF lembrou que, no ano passado, o Santos também teve vários jogadores convocados para a seleção e acabou sendo campeão da Libertadores. E ainda mandou um recado a Luis Alvaro: se não quiser ter mais jogadores do Santos convocados, é só falar. "Não tem problema nenhum. A seleção não quer ninguém insatisfeito. O Neymar é um grande jogador, mas se ele e o Santos não quiserem servir à seleção, não tem problema", avisou Andrés.

Durante a visita desta sexta-feira, Marin ficou encantando com as obras do Itaquerão. Ele lembrou o fato de ser são-paulino, mas se disse orgulhoso pelo que o Corinthians está fazendo. E pediu a Andrés que leve a seleção brasileira para treinar no CT de Cotia, do São Paulo, para o jogo de 7 de setembro contra o Chile, que será disputado no Morumbi. "É por uma questão de lógica. O CT de Cotia fica mais perto do estádio", justificou o presidente da CBF. "Eu tenho de agir como diretor da seleção. A seleção vai treinar lá", garantiu Andrés.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.