José Patrício/Estadão - 04/09/2012
José Patrício/Estadão - 04/09/2012

Andrés Sanchez, diretor de seleções, admite: 'Fui voto vencido'

Dirigente deixa claro que não apóia a saída de Mano Menezes, mas afirma respeitar a hierarquia da CBF. 'O presidente quer outros critérios, novas metodologias'

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

23 de novembro de 2012 | 17h20

SÃO PAULO - Andrés Sanchez, diretor de seleções da CBF, deixou claro que foi "voto vencido" na reunião que decidiu a demissão de Mano Menezes após quase dois anos e meio de trabalho na seleção. No encontro, realizado na Federação Paulista de Futebol (FPF), estavam apenas Andrés, o presidente da CBF José Maria Marin e o vice Marco Polo del Nero.

 

Em entrevista coletiva realizada na sede da FPF, Andrés afirmou que não concordou com a demissão de Mano, por acreditar que esse não era o momento para destituir o treinador. Mas não colocou-se contra a Marin, e afirmou que, como "simples diretor", defende a hierarquia da CBF.

 

"Eu vinha defendendo a continuidade do trabalho, porque acredito que estava no caminho certo. Mas sei respeitar a hierarquia e entendo as razões do presidente. No ano que vem é uma nova temporada, e o presidente quer outros critérios, novas metodologias. Ele foi corajoso, ousado, e está vendo o futebol para frente. Temos que respeitar."

 

De acordo com Andrés, o nome do novo treinador será divulgado em janeiro, assim como será explicado que tipo de novas metodologias e critérios pretende adotar a CBF. O dirigente garantiu que não foram discutidos os nomes de substitutos para Mano Menezes nesta sexta-feira. "Vão aparecer seis, sete, oito nomes a partir de hoje. Vai ser um desses."

 

Andrés foi responsável por comunicar a demissão para Mano. Após a reunião com Marin e Del Nero, deixou a sede da FPF e foi encontrar o ex-técnico da seleção. Depois, retornou à Federação Paulista e atendeu os jornalistas. "Ninguém gosta de ouvir uma notícia dessas. Mas o Mano é uma pessoa muito vivida no futebol, essas coisas acontecem. Ele está preparado para trabalhar em qualquer clube ou seleção."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.