Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Andrés Sanchez pede desculpas e promete Corinthians forte em 2019

Presidente justificou a perda de jogadores no meio do ano e avisou que a comissão técnica está atrás de reforços para a próxima temporada

João Prata, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 05h00

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, pediu desculpas aos torcedores pelo vice da Copa do Brasil e prometeu um elenco forte para a próxima temporada. No entanto, também fez questão de avisar que o clube não poderá gastar muito para trazer esses reforços.

"Venho pedir desculpas para a torcida. Lutamos até o final, brigamos, mas remontar tudo isso não é fácil. Futebol não se faz do dia para a noite. Perdemos quatro jogadores, técnico e esse grupo está de parabéns. O torcedor corintiano é diferente de tudo e está de parabéns", disse. "Estamos atrás (de reforços), é questão de oportunidade. Vamos buscar e o torcedor pode ficar tranquilo porque vamos ter time forte no ano que vem", prosseguiu o mandatário. 

Andrés explicou as saídas de Rodriguinho, Balbuena, Maycon e Sidcley no meio do ano. Ele assumiu a responsabilidade pela queda de rendimento da equipe, mas também afirmou que ficou sem ter muito o que fazer diante do mercado. "Com certeza eu assumo totalmente a culpa." 

"Vendi o Rodriguinho. O Balbuena não quis renovar, não tinha o que fazer. O Sidcley não era do Corinthians, veio uma proposta da Rússia fora da realidade e foi negociado. O Maycon já estava apalavrado. Isso acontece e sempre vai acontecer", justificou. 

O Corinthians embolsou R$ 20 milhões pelo vice da Copa do Brasil. Ainda garantiu uma renda recorde de mais de R$ 5 milhões. Também conseguiu um patrocínio master na camisa para a final que rendeu cerca de R$ 800 mil. Por isso, Andrés garantiu que o clube não enfrenta problema financeiro. "Não precisa vender ninguém para ajeitar as contas, mas com o dólar quatro para um, vem uma proposta milionária e não dá para segurar. Temos que ter capacidade para ir atrás de novos jogadores", explicou. 

O problema é que também por causa da baixa valorização do Real, o presidente também avisou que não dá para pensar em grandes nomes para a próxima temporada. "O difícil é achar jogador. Vocês vão procurar os clubes que estão contratando por 10 milhões de euros. Para mim fazer o cheque com esse valor não teria problema nenhum. Saio daqui dois anos e a conta vai vir para o clube. E é claro que não deixar o clube em uma situação dessas", finalizou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.