Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Andrés Sanchez promete vender naming rights de estádio logo

O pedido inicial era R$ 400 milhões, mas clube já trabalha com a possibilidade de fechar acordo por um valor menor

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2015 | 12h37

A vitória de Roberto de Andrade sobre Antônio Roque Citadini na eleição para presidente do Corinthians, realizada no sábado, confirma a força de Andrés Sanchez no clube. À frente do grupo Renovação e Transparência desde 2007, o ex-presidente se mantém no poder e ao final do mandato de Andrade completará 11 anos como principal liderança política do Parque São Jorge desde a saída de Alberto Dualib.

Deputado federal pelo PT, Sanchez não terá nenhum cargo na nova diretoria, mas continuará agindo nos bastidores do clube. "Vou ajudar sempre o Corinthians, independentemente de quem for o presidente. O máximo que posso fazer é estar sempre presente. Fora isso, vou tocar a vida de deputado federal, que é uma função importante", disse.

Sanchez permanece com responsável por cuidar das negociações para conseguir vender os naming rights do Itaquerão. "Quem sabe não anunciamos nos próximos dias ou meses. Tem duas, três empresas trabalhando em cima disso. O torcedor corintiano pode ficar tranquilo, pois é questão de tempo. Está atrasado, mas vai ser um pontapé muito bem dado", disse Sanchez.

O pedido inicial do clube era R$ 400 milhões. Sem encontrar empresas dispostas a pagar esse montante, o clube alvinegro trabalha com a possibilidade de fechar acordo por um valor menor. A partir de julho, o Corinthians terá de pagar todo mês R$ 5 milhões referentes aos empréstimos feitos durante a obra. Em dezembro de 2016, as parcelas sobem para R$ 10 milhões mensais.

Como passará parte da semana em Brasília por causa do seu mandato na Câmara dos Deputados, Sanchez não cuida mais diretamente do estádio. "Tem uma equipe de profissionais trabalhando. Não é preciso estar no dia a dia. O macro podemos resolver aqui do Parque São Jorge mesmo. O Roberto vai estar a par de tudo. Quando precisar de mim, vou estar à disposição", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.