Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Andrés vai à Europa tentar fechar patrocínio e naming rights com a Emirates

Após tentativa frustrada de reunião com representantes da América do Sul, presidente do Corinthians vai à Europa tentar novo acordo com companhia aérea dos Emirados Árabes

João Prata, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2018 | 21h34

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, viajou na segunda-feira a Madri para resolver problemas particulares. O mandatário, no entanto, aproveitou a ida à Europa para também se reunir com representantes da Emirates em Londres.

Será a segunda tentativa recente de Andrés para acertar patrocínio master e naming rights da arena com a principal companhia aérea dos Emirados Árabes. A diretoria do Corinthians se reuniu há algumas semanas com representantes da empresa na América do Sul, mas não houve acordo. Segundo o Estado apurou, a empresa entendeu que não era o momento de a marca ser atrelada ao Corinthians.

Andrés agora fará essa nova tentativa de fechar um pacote com a Emirates para estampar o nome na camisa e também marcar a arena, inaugurada há quatro anos e que só de financiamento tem um custo mensal ao clube de R$ 5,9 milhões.

O Corinthians não possui patrocinador master desde abril de 2017 - o último foi a Caixa Econômica Federal. O acordo iniciado em 2012 rendeu R$ 120 milhões no período, com três renovações. Na decisão da Copa do Brasil contra o Cruzeiro, no jogo de volta, o clube acertou contrato pontual com a Renault, fabricante de automóveis. 

Um novo patrocinador ajudaria o Corinthians a sair do buraco financeiro. No último balancete, referente aos oito primeiros meses do ano, o Corinthians apresentou um déficit de R$ 21 milhões. Houve um aumento de 22% no déficit em comparação a julho, quando o número era de R$ 17,3 milhões. No total, a dívida chega a R$ 504 milhões.

Apesar dos números, o clube acredita que conseguirá fechar o ano no azul por causa dos R$ 20 milhões que recebeu pelo vice da Copa do Brasil e outras receitas vindas de patrocínios pontuais. Em agosto, o futebol do clube teve superávit de R$ 3,9 milhões e o que fez a dívida aumentar foi o clube social e os esportes amadores que, juntos, causaram um déficit de R$ 25,1 milhões.

  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.