Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Andrés vê acordo com a Caixa como prioridade e promete gestão atrevida no Corinthians

Novo presidente espera definir a situação do financiamento da Arena o mais rápido possível

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2018 | 14h20

Andrés Sanchez conseguiu, enfim, dar sua primeira entrevista coletiva em paz no Corinthians, após as confusões ocorridas no último sábado. O novo mandatário disse que a renegociação com a Caixa Econômica Federal em relação a Arena Corinthians será sua prioridade e prometeu uma gestão atrevida.

+ Corinthians vê 'clima favorável' para negociação de dívida da Arena com a Caixa

“É um desafio para todos nós (acordo com a Caixa). Prioridade é resolver o mais rápido possível a engenharia financeira perante a Caixa e a Odebrecht. Agora é únir o Corinthians. Espero que o clube tenha consciência que a união é importante”, disse o dirigente, que durante a entrevista disse que a dívida da arena é de R$ 1,2 bilhão.

Na segunda-feira, o jornal O Globo deu uma nota afirmando que a Caixa decidiu executar as garantias de empréstimos feito pelo Corinthians e uma das garantias, caso o clube não conseguisse o financiamento de R$ 400 milhões junto ao BNDES é parte do terreno do Parque São Jorge.

“Saiu uma notícia desencontrada. Já sentamos ontem (segunda-feira) com eles e espero que a gente pague o mais rápido possível Começamos a conversar e estamos negociando. Vamos acertar direitinho isso aí. Será a prioridade”, avisou o presidente.

Durante a campanha, Andrés disse que precisaria de 100 dias para mudar o Corinthians. Nesta terça-feira, ele explicou que é o tempo que precisa para entender tudo que está acontecendo no clube.

“Vamos levar alguns dias para conhecer todo o entorno do Corinthians e os 100 dias é para tornar mais transparente possível nossa gestão. Todo mundo sabe o momento que o País está passando e precisaremos ser mais ativos e atrevidos para tentar resolver os problemas”, comentou.

No sábado, dia em que foi eleito presidente do clube, Andrés teve que interrompender a coletiva por causa de protestos violentos de torcedores, que chegaram a agredir funcionários do Corinthians e jornalistas. “Espero que nunca mais aconteça isso. Independente de quem ganhasse a eleição iria ter essa confusão. Teve em outras eleições também, mas não nesse nível”, lamentou o dirigente.

Andrés ainda confirmou que Duílio Monteiro Alves é o novo diretor adjunto do clube e Luis Paulo Rosemberg está de volta para comandar o marketing do clube, assim como Caio Campos, que também trabalhará na área. A prioridade da dupla, além de participar das negociações da Arena, é conseguir um patrocínio master. “Vamos olhar para isso também. A equipe de marketing está sendo montada, mas não tem nada adiantado ainda. Assim que tiver, será comunicado.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.