Angioni admite "focos de insatisfação"

O diretor de futebol do Corinthians, Paulo Angioni, admitiu nesta sexta-feira a existência de ?focos de insatisfação? no elenco do Corinthians. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, de São Paulo, o dirigente comentou sobre as dificuldades que vem tendo para administrar as vaidades no clube ou para contornar problemas decorrentes das diferenças salariais entre os jogadores que estavam no clube e os que foram contratados pela parceira MSI. Ele falou ainda do desgaste provocado pela intenção da diretoria de suspender pagamento de prêmios por vitórias. ?É natural que exista esse tipo de coisa (focos de insatisfação). No ano passado tínhamos um elenco homogêneo. Hoje, temos um grupo que ainda está sendo formado, heterogêneo. Nós sabíamos que esse tipo de coisa poderia acontecer?, disse ele. ?Nós só não esperávamos uma derrota como a que aconteceu diante do Cianorte, mas as outras coisas eram esperadas?, acrescentou.Angioni disse que administrar as vaidades no clube não está sendo uma tarefa fácil, mas ressaltou que este é um fenômeno que ocorre em todos os clubes que contratam muitos bons jogadores. ?É complicado. Mas isso não é privilégio do Corinthians. Acontece em quase todos os clubes do mundo. Torna-se um ponto altamente relevante na definição do futuro de um projeto?.O dirigente disse que o clube está estudando formas alternativas para aplacar eventuais insatisfações em relação às diferenças salariais. "Os valores dos novos contratados e dos repatriados, sem dúvida, são maiores e é possível que isso traga algum tipo de insatisfação, mas a diretoria estuda a adoção de um sistema de bônus, a ser adotada para uns 5 ou 6 jogadores. Para outros, estamos iniciando o processo de renovação dos contratos", explicou.O dirigente lembrou que o torcedor precisa ter paciência e que o processo de montagem de uma equipe demora. ?Isso demanda tempo e não é curto. O que não podemos é ter percalços como esses (derrota para o Cianorte). Isso traz instabilidade e atrasa o processo. Mas tenho certeza que estamos no caminho certo para a formação de uma equipe boa, forte?, afirmou.Paulo Angioni falou da polêmica dos prêmios. ?Como acontece em qualquer clube, queremos estabelecer premiação por metas. O Campeonato Paulista é por título. A Copa do Brasil é por fase. Estamos conversando e certamente vamos chegar a um acordo. Sobre o Campeonato Brasileiro só vamos discutir mais adiante?, explicou.A respeito da situação de Gil, Angioni disse não ter informações conclusivas. ?O fato é que ele tem contrato com o Corinthians até 31 de dezembro de 2005. Dentro de dois meses, ele já ganha o direito de assinar um pré-contrato com qualquer equipe, mas estamos conversando com ele sobre a renovação?. O dirigente garantiu desconhecer a informação de que Gil estaria sendo oferecido ao CSKA como parte do pagamento do atacante Vágner Love.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.