Ciro Campos/Estadão
Ciro Campos/Estadão

Ansioso por retorno, Moisés diz desfrutar de novo status no Palmeiras

Após chegar como desconhecido, jogador começa temporada como camisa 10

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2017 | 15h34

O terceiro jogo oficial do Palmeiras na temporada, nesta quinta-feira, contra o São Bernardo, deve marcar o retorno de um dos destaques da conquista do título brasileiro em 2016. O meia Moisés disse nesta quarta-feira querer atuar para desfrutar do novo status obtido com a torcida. Após chegar como desconhecido no elenco no começo do ano passado, o jogador vai começar a temporada como o novo camisa 10.

Moisés ficou fora das partidas anteriores para recuperar a parte física depois de ter passado em dezembro por uma cirurgia para a retirada de quatro pinos do pé esquerdo. "Está muito grande a minha ansiedade. Não gosto de ficar fora. Nas minhas férias, eu tive de ter um repousou maior. Ficar fora de treino, treinar separado é difícil. O gostoso é estar trabalhando. Agora vivo a expectativa de voltar", afirmou.

O jogador disse estar com vontade extra para estrear em 2017 por ter curtido nas férias uma situação oposta à vivida no começo do ano passado, quando Moisés deixou o Rijeka, de Croácia, como desconhecido, depois virando um dos jogadores principais do elenco. "Ano passado quando cheguei, eu era dúvida. Tive que conviver com isso e agora é uma nova situação", disse. "Nas férias eu vi a gratidão do torcedor palmeirense. É legal ser reconhecido. Muita gente me parabenizava e pedia fotos", contou.

O meia garantiu não saber como será utilizado na partida. O técnico Eduardo Baptista fechou o último treino antes da partida com o São Bernardo, marcada para quinta, às 19h30, no Allianz Parque. Moisés deve ser relacionado pelo treinador pela primeira vez na temporada, incluindo os dois amistosos realizados em janeiro.

Moisés contou ter visto pela televisão os jogos anteriores do Palmeiras e identificado os erros de finalização e falta de regularidade como problemas que precisam ser corrigidos. "O time oscila demais. Faz dez minutos bons, depois cai. Precisamos ser mais constantes, ter um equilíbrio e procurar fazer o que fazíamos no ano passado e finalizar com tranquilidade", disse.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Palmeiras Campeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.